Política e Administração Pública

Oposição diz que PT é incoerente ao impedir análise da reforma política

03/02/2015 - 21:47  

O DEM, o PPS e o PSDB argumentam que o PT está sendo incoerente ao tentar impedir a votação da admissibilidade da proposta de reforma política (PEC 352/13) pelo Plenário, já que a mensagem da presidente Dilma Rousseff lida ontem na sessão de abertura do ano legislativo lista o tema como prioridade.

“A reforma política está sendo desmoralizada pelo seu partido aqui hoje, ou seja, o PT não tem compromisso com o que sua presidente assina”, acusou o líder da minoria, deputado Bruno Araújo (PSDB-PE).

Normalmente, a admissibilidade de PECs é analisada pela CCJ, mas existe a possibilidade de a votação ser feita em Plenário, caso seja aprovado um requerimento nesse sentido. PT e outros partidos querem a votação na comissão, não em Plenário.

Autoria da PEC
O líder do PSDB, deputado Carlos Sampaio (SP), disse que é incoerente o partido ir contra uma proposta de autoria de um deputado petista: o ex-deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP).

O líder do PPS, Rubens Bueno (PR), lembrou que a admissibilidade é apenas o pontapé inicial para a discussão da proposta. “Fomos à campanha dizendo que faríamos a reforma política e, na primeira sessão do ano, estamos negando a possibilidade de discutir uma proposta sobre o tema”, criticou.

Temas polêmicos
Não só o PT está contra a admissibilidade. PCdoB e PV também são contrários. A líder do PCdoB, deputada Jandira Feghali (RJ), criticou o financiamento misto. Ela defende o financiamento público.

Já líder do PV, deputado Sarney Filho (MA), está preocupado com a cláusula de desempenho, que pode acabar com partidos pequenos. “É uma proposta que visa implantar o tripatidarismo, não é uma proposta que o povo brasileiro quer”, disse.

O líder do governo, deputado José Guimarães (CE), negou que o governo tenha sido contra a votação na CCJ. “Patrocinei um acordo na CCJ para a votação da admissibilidade. Por que não foi votado? Por conta de um processo de cassação em curso. Não venham imputar ao PT”, disse.

Mais informações a seguir.

Assista ao vivo.

Reportagem – Carol Siqueira
Edição – Pierre Triboli

Tempo real:

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Sua opinião sobre: PEC 352/2013

Íntegra da proposta