Educação, cultura e esportes

Solene homenageia Dia do Historiador e José Bonifácio

Discursos lembraram a importância do conhecimento da História para superar os momentos de crise política

21/08/2019 - 14:35  

Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Parlamentares e historiadores se revezaram durante a sessão solene para homenagear José Bonifácio e lembrar a importância da ciência histórica para o País

Participantes de uma sessão solene em comemoração ao Dia do Historiador, celebrado em 19 de agosto, destacaram nesta quarta-feira (21), na Câmara dos Deputados, a necessidade de olhar os bons exemplos da História em busca de soluções para os momentos de crise. Eles se referiram principalmente ao cientista, político e estadista José Bonifácio de Andrada e Silva (1763-1838), homenageado na sessão, dentro das comemorações dos 200 anos da Independência do Brasil (1822).

A homenagem foi solicitada pelos deputados Enrico Misasi (PV-SP) e Lafayette de Andrada (Republicanos-MG).

Oficialmente declarado Patrono da Independência pela Lei 13615/18, Bonifácio influenciou com suas ideias a separação do Brasil de Portugal. Ele acreditava na possibilidade de uma independência declarada pelo governo, a fim de manter a unidade do território brasileiro. Bonifácio retornou ao Brasil em 1819, após mais de 30 anos vivendo na Europa.

“A figura do José Bonifácio cresce e se agiganta após seu retorno ao Brasil e no processo de independência. Ao lado do jovem príncipe Dom Pedro I, ele coordenou todo o processo de independência”, lembrou Lafayette de Andrada, que é descendente de José Bonifácio.

Nas palavras do ex-deputado Aldo Rebelo, que presidiu a Câmara entre 2005 e 2007, “José Bonifácio foi um homem completo, talvez a inteligência maior e mais culta de sua época”. “As nações podem viver momentos de desorientação, de perda de rumo momentâneo. Nessas circunstâncias, cabe se socorrer das suas inteligências mais lúcidas, daqueles que souberam encontrar o rumo nos momentos mais adversos”, orientou.

Michel Jesus/Câmara dos Deputados
A Câmara inaugurou um busto em homenagem a José Bonifácio, além de promover uma exposição sobre o estadista

Além da solene, foi inaugurado na Câmara um busto de José Bonifácio, no anexo II. O estadista também é homenageado na exposição “José Bonifácio de Andrada e Silva”, no corredor de acesso ao Plenário Ulysses Guimarães. A mostra pode ser vista até 4 de setembro.

Dia do Historiador
A sessão solene celebrou ainda o Dia do Historiador, instituído pela Lei 12130/09. A data 19 de agosto foi escolhida em homenagem ao dia de nascimento do pernambucano Joaquim Nabuco (1849-1910), diplomata, escritor e um dos grandes historiadores do Brasil.

Na avaliação de Enrico Misasi, Nabuco tem o potencial simbólico de unir brasileiros com diferentes opiniões políticas. “Ele foi um privilegiado, criado por escravos. Mas, a determinado ponto da vida, decidiu abandonar tudo para ser advogado dos escravos. Abandonou os privilégios para se colocar a serviço do Brasil sem divisão artificiais entre as pessoas”, afirmou o parlamentar.

Dois livros foram lançados na ocasião: a publicação Minha Formação, de Joaquim Nabuco, pelas Edições Câmara; e a nova edição do perfil parlamentar do historiador.

Acordo com ABL
Foi assinado ainda acordo entre a Câmara e a Academia Brasileira de Letras (ABL), para que os imortais da ABL possam prefaciar publicações das Edições Câmara. Presidente da ABL, Marco Lucchesi disse que a cooperação se dá no momento de uma reflexão profunda sobre a História.

Citando Nabuco, Lucchesi disse que o pernambucano compreendeu o Brasil de tal maneira que conseguiu revestir sua obra de atualidade. “O historiador não vai fazer o exercício do futuro, porque o futuro é muito incerto e complexo, mas ele pode trabalhar com o aprofundamento daquilo que nos constitui”, declarou.

A historiadora e professora da Universidade de Brasília Neuma Brilhante acrescentou que um país não é uma obra acabada, mas está constantemente sendo pensado e reelaborado. “Olhar para trás e ver os passos acertados é uma grande lição. A gente tem essas referências, Bonifácio, Nabuco, pessoas importantíssimas que são antes de tudo grandes estadistas. Crises acontecem, mas são momentos para nos repensarmos e trazermos alternativas.”

 

Reportagem – Noéli Nobre
Edição - Roberto Seabra

  • Áudio da matéria

    Ouça esta matéria na Rádio Câmara

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.