Política e Administração Pública

Legalização de jogos de azar pode gerar emprego, diz presidente da associação de jogos eletrônicos

13/12/2016 - 11:37  

Assista ao vivo

O presidente da Associação de Jogos Eletrônicos e Similares do Brasil (AJES), Arlindo Pereira Figueiredo Junior, argumentou há pouco que a legalização dos jogos de azar no Brasil poderia contribuir para gerar empregos e aumentar a arrecadação.

Para Figueiredo Júnior, o Brasil não pode fechar os olhos para um mercado que existe na ilegalidade há anos e que, se legalizado, poderia render recursos para o estado.

“Há uma previsão de investimento da ordem de R$ 700 bilhões, somando-se cassinos, bingos e outras formas de jogos. Poderemos usar esse dinheiro em benefício da saúde e da segurança pública”, defendeu Figueiredo Júnior, que participa neste momento de comissão geral que discute no Plenário da Câmara dos Deputados a proposta de um novo marco regulatório para os jogos de azar no Brasil (PL 442/91).

“Em vez de os agentes de segurança pública se ocuparem com a fiscalização das mais de 1 milhão de máquinas de slots que operam na ilegalidade, eles poderiam estar focados em questões ligadas propriamente ao combate ao crime”, acrescentou.

Também favorável à legalização dos jogos de azar no País, o advogado Witoldo Hendrich Júnior citou o exemplo da ilha de Malta, no mediterrâneo, onde, segundo ele, uma agência reguladora de jogos on-line cumpre um papel fundamental.

“O jogo on-line é a única indústria capaz de controlar e impedir o vício dos jogadores”, disse Hendrich Júnior, destacando o papel da agência reguladora ao assegurar a operação de jogos eletrônicos online na maior parte dos países europeus.

“Nós atualmente não podemos impedir que a pessoa gaste seu último real na Mega-Sena da virada. Ao contrário disso, as autoridades de jogos de Malta fazem com que seja impossível essa última aposta, porque não há como jogar online sem estar devidamente identificado com sua conta de jogador”, disse ele, reconhecendo que detestaria ver um parente seu viciado em jogos de azar.

Mais informações a seguir

O público pode participar do debate pelo e-Democracia.

Acompanhe a transmissão ao vivo também pelo canal da Câmara dos Deputados no YouTube

Reportagem - Murilo Souza
Edição - Marcia Becker

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Sua opinião sobre: PL 442/1991

Íntegra da proposta