Política e Administração Pública

Deputados criticam decisão do presidente em exercício

09/05/2016 - 17:56   •   Atualizado em 09/05/2016 - 18:14

O deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) afirmou que já entrou em contato com presidentes do PSDB, PMDB, PPS, DEM e SD para apoiar uma representação pedindo a cassação de Waldir Maranhão (PP-BA), depois que o presidente em exercício decidiu anular a votação em Plenário do pedido de abertura de processo de impeachment contra Dilma Rousseff. Até o momento, no entanto, nenhum pedido foi protocolado na Secretaria-Geral da Mesa.

“Ele cometeu abuso de autoridade porque não há nenhuma referência na norma regimental que permita haver a anulação de votação em Plenário em ato unilateral”, criticou Maia. Segundo ele, já no primeiro ato na presidência, Maranhão dá sinais de que não tem condições de presidir a Câmara. “É uma decisão ilegal, ilegítima e confronta posicionamento de 367 deputados”, criticou.

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) também criticou a medida. “É lamentável que o presidente da Casa em exercício tome esta atitude, uma atitude irresponsável, com falta de amor à pátria e de patriotismo”, condenou.

O líder do Democratas, Pauderney Avelino (AM), voltou a criticar a decisão de Waldir Maranhão. "Não vamos permitir que ele sente na cadeira da Presidência para confrontar uma decisão do Plenário”, disse.

O líder do Psol, deputado Ivan Valente (SP), também criticou a decisão, mas defendeu o reinício do processo, “desta vez, sem influência de Eduardo Cunha”, avisou.

Leia a íntegra da nota de Maranhão.

Mais informações a seguir.

Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Luciana Cesar

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.