Trabalho, Previdência e Assistência

Comissão aprova projeto que prevê piso salarial de R$ 5,5 mil para assistente social

Atualmente, existem cerca de 200 mil assistentes sociais registrados no País

01/06/2023 - 13:57  

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Redução de Alíquotas nas contas de energia elétrica dos consumidores residentes nos municípios sedes de hidrelétricas. Dep. Andreia Siqueira (MDB - PA)
Andreia Siqueira: “O piso de R$ 5,5 mil é o mais oportuno”

A Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados aprovou proposta que fixa o piso salarial do assistente social em R$ 5,5 mil para jornada de 30 horas. Esse valor deverá ser reajustado anualmente pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Foi aprovado o substitutivo elaborado pela relatora, deputada Andreia Siqueira (MDB-PA), ao Projeto de Lei 1827/19, do deputado Célio Studart (PSD-CE), e três apensados. “Legalizar esse piso, somada à atualização anual, promoverá inegável avanço no reconhecimento dos assistentes sociais”, afirmou a relatora.

A versão original da proposta previa piso de R$ 4,2 mil. Em 2023, apurou Andreia Siqueira, a média salarial dos assistentes sociais alcança R$ 2.245, mas em alguns estados, como Minas Gerais, a remuneração é inferior, de R$ 1.485. “O piso de R$ 5,5 mil é o mais oportuno”, defendeu a relatora, ao comparar esses valores.

Atualmente, são cerca de 200 mil assistentes sociais registrados no País, segundo o Conselho Federal de Serviço Social (CFSS). “É o segundo país no mundo em número de assistentes sociais, mas ainda não existe um piso salarial”, observou o deputado Célio Studart, na justificativa que acompanha a proposta.

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Trabalho; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Ralph Machado
Edição – Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta