Educação, cultura e esportes

Comissão debate boas práticas de educação inclusiva na rede pública

13/12/2021 - 07:30  

Marcel Ávila/Prefeitura de Pelotas-RS
Direitos Humanos - deficiente - aprendizado deficiência intelectual síndrome de Down (Primeira Semana de Conscientização e Orientação sobre Síndrome de Down, Pelotas-RS)
Deputado entende que educação domiciliar é preocupante para inclusão

A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados debate nesta segunda-feira (13) boas práticas de educação inclusiva nas redes públicas de ensino. O debate foi solicitado pelo deputado Felipe Rigoni (PSB-ES).

Na avaliação do parlamentar, os avanços recentes nos marcos normativos nacionais e internacionais para proteção e promoção dos direitos educacionais de pessoas com deficiência não foram acompanhados no mesmo ritmo por políticas de educação efetivas e capazes de garantir, no âmbito de todas as redes de ensino, o acesso, a permanência, a participação e a aprendizagem desses estudantes.

Rigoni destaca que o Governo Federal apresentou como sua única prioridade legislativa na área educacional para o biênio 2021-2022 a proposta de regulamentação da educação domiciliar no Brasil.

“Para crianças e adolescentes brasileiros com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e superdotação/altas habilidades, que corresponde a 7,3% da população de 7 a 14 anos, a proposta é especialmente preocupante, pois pode significar a volta ao paradigma de segregação que marcou a relação de nossa sociedade com pessoas com deficiência, indo na contramão dos ganhos acadêmico e socioemocionais para todos os estudantes já apontados pelas melhores evidências científicas”, afirma.

Foram convidados:
- o fundador do Instituto Rodrigo Mendes e representante da Coalizão Brasileira pela Educação Inclusiva, Rodrigo Mendes;
- a secretária municipal de Educação de São Cristóvão (SE) e Presidente da Undime SE, Quitéria Lúcia Araújo de Barros;
- a diretora de Educação Infantil do CEU - CEI Evanir Hilário - São Paulo (SP), Keit Cristina Anteguera Lira;
- a professora do atendimento educacional especializado na Prefeitura Municipal de São Paulo, Talita Delfino;
- o professor de Educação Física, autodefensor da Federação Brasileira de Síndrome de Down e vice-diretor de Comunicações da Associação Reviver Down, João Vitor Mancini Silvério; e
- o mestrando na Universidade Católica do Salvador (UCSal), Matheus Martins de Oliveira.

O debate será realizado às 9 horas, no plenário 5. O público pode acompanhar o debate e participar da discussão pela internet. 

Da Redação – RL

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.