Educação, cultura e esportes

Projeto destina aos árbitros parte da receita obtida por clubes com direito de arena

05/08/2021 - 11:35  

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Deputado André Figueiredo discursa no Plenário da Câmara
Figueiredo: medida estava prevista na MP do Futebol, mas acabou vetada

O Projeto de Lei 3196/15 torna obrigatório o repasse de 0,5% da receita obtida por entidade desportiva com o direito de arena a entidades que representem os árbitros. O texto, que tramita na Câmara dos Deputados, altera a Lei Pelé.

O direito de arena assegura a entidades de prática desportiva, como clubes de futebol, as receitas com a comercialização de imagens do evento esportivo de que participem. Segundo a Lei Pelé, esse direito se refere à prerrogativa exclusiva de "negociar, autorizar ou proibir a captação, a fixação, a emissão, a transmissão, a retransmissão ou a reprodução de imagens" do evento.

"Em muitas partidas de futebol, especialmente em jogos decisivos, a atuação do árbitro pode chamar mais a atenção do que a dos próprios atletas”, destaca o autor do projeto, deputado André Figueiredo (PDT-CE).

“Apesar de estar em campo durante todo o tempo de jogo e de aparecer na maioria dos lances, hoje o árbitro não recebe nenhuma verba adicional por isso”, acrescenta o autor.

Figueiredo lembra que a destinação de parte da receita obtida com o direito de arena para os árbitros estava prevista na MP do Futebol (Medida Provisória 671/15), mas acabou vetada pelo presidente Jair Bolsonaro ao sancionar a Lei 13.155/15, originada da MP.

Tramitação
O projeto ainda será analisado, em caráter conclusivo, pelas comissões de Esporte; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta