Saúde

Câmara aprova nova prorrogação da suspensão de metas de prestador de serviços do SUS

Projeto prorroga a suspensão até 30 de setembro, em decorrência da pandemia causada pelo novo coronavírus

14/07/2020 - 20:54   •   Atualizado em 14/07/2020 - 21:39

Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados
Ordem do dia. Dep. Eduardo Barbosa(PSDB - MG)
Eduardo Barbosa: o texto alcança pessoas jurídicas de direito público e de direito privado

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (14) proposta que prorroga até 30 de setembro de 2020 a suspensão do cumprimento de metas pelos prestadores de serviços de saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A matéria será enviada ao Senado.

Foi aprovado um substitutivo do deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG) ao Projeto de Lei 3058/20, do deputado Pedro Westphalen (PP-RS) e outros quatro parlamentares, que inicialmente previa a prorrogação até 31 de dezembro.

Segundo o substitutivo, a medida alcança tanto pessoas jurídicas de direito público quanto aquelas de direito privado, com ou sem fins lucrativos.

A legislação prevê que, para receberem pelo atendimento prestado no âmbito do SUS, as entidades conveniadas devem cumprir metas qualitativas e quantitativas. Hospitais filantrópicos, por exemplo, dependem disso para continuarem com a isenção de tributos.

Esse tipo de suspensão já tinha sido aprovado pelo Congresso Nacional, por meio da Lei 13.992/20, por 120 dias a partir de 1º de março. O prazo acabou no dia 28 de junho. A lei também garantiu o repasse integral dos recursos previstos no contrato, que são feitos por meio do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (Faec), com base na média dos últimos 12 meses.

Pagamentos menores
Como a lei determinou o pagamento segundo a média dos últimos 12 meses, o relator informou que alguns prestadores de serviços tiveram redução dos valores repassados, embora tenham aumentado sua produção. Ele cita como exemplo as clínicas de diálise, conforme divulgado em audiência da Comissão Externa sobre a Covid-19 da Câmara dos Deputados.

Dessa forma, Barbosa restabeleceu o mecanismo de repasse anterior à Lei 13.992/20, atribuindo aos gestores estaduais, distrital e municipais de saúde a aprovação da produção para o pagamento pelo Faec.

Já os recursos represados do fundo referentes aos meses de março, abril, maio e junho deste ano deverão ser pagos em parcela única pelo Ministério da Saúde, também após aprovação desses gestores.

Reportagem – Eduardo Piovesan e Carol Siqueira
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta