Política e Administração Pública

Maia propõe debate no Parlamento sobre importância do isolamento social

Para Rodrigo Maia, a avaliação de Bolsonaro diverge de tudo aquilo que especialistas na área da saúde defendem no Brasil e no mundo

29/04/2020 - 15:53  

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), propôs um debate em sessão virtual da Câmara sobre a necessidade do isolamento social como forma de reduzir a velocidade de propagação do coronavírus e evitar o colapso no sistema de saúde do País. Segundo ele, o Parlamento deveria chamar o Ministério da Saúde, especialistas, técnicos, médicos, governadores e prefeitos para debater o tema. Na avaliação de Maia, o isolamento social ainda é a única forma de combate ao coronavírus.

Najara Araujo/Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia, concede entrevista coletiva sobre a atividade legislativa durante a crise causada pelo coronavírus
Para Maia, isolamento social ainda é a única forma de combate ao coronavírus

Mais cedo, o presidente da República, Jair Bolsonaro, disse que estados como São Paulo adotaram medidas restritivas e ainda continuam com número de mortos elevados em razão da pandemia e afirmou que a cobrança sobre mortes por coronavírus precisa ser feita aos governadores e prefeitos. Ontem,  questionado sobre o fato de o País ter ultrapassado 5 mil mortes por Covid-19, superando a China, ele respondeu: “E daí?”.

Para Rodrigo Maia, a avaliação de Bolsonaro diverge de tudo aquilo que especialistas na área da saúde defendem no Brasil e no mundo.

“O próprio presidente americano (Donald Trump) deu opinião sobre o que está acontecendo no Brasil em relação à pandemia. Acho ruim esse embate sobre a questão do isolamento. Não digo que devemos ter uma posição única e radical, mas é necessário fazer um debate sobre o tema”, propôs Maia.

“Mas não vou imaginar que o presidente da República está tratando como uma coisa irrelevante a morte dos brasileiros, tenho certeza de que não, mas uma frase mal colocada gera polêmica, mas não tenho dúvida de que nenhum governante vai minimizar a perda de vida de brasileiros”, ponderou.

Em relação ao decreto assinado por Bolsonaro, que amplia a lista de serviços e atividades considerados essenciais em meio à pandemia do coronavírus, Maia afirmou que vai analisar com a assessoria da Câmara antes de se posicionar sobre ela. Mas reafirmou a necessidade de manutenção do isolamento social e reafirmou que todas as decisões que se referem ao combate ao coronavírus devem seguir a ciência.

“Nossas decisões não podem estar baseadas em impressões ou opiniões de aliados, ou do setor privado, ou da sociedade. Nossas decisões precisam estar baseadas em decisões técnicas, com o cuidado que diz a ciência e a área médica”, defendeu Maia.

Já em relação à retomada dos trabalhos presenciais na Câmara, Maia foi cauteloso e disse que o melhor é aguardar as próximas semanas. Na avaliação dele, não adianta abrir o Parlamento sem estrutura capaz de evitar as infecções do coronavírus neste período que o número de contaminação tende a crescer.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição - Wilson Silveira

  • Áudio da matéria

    Ouça esta matéria na Rádio Câmara

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.