Ciência, tecnologia e Comunicações

Parlamentares questionam flexibilização do horário da Voz do Brasil

09/05/2014 - 18:44  

A Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e TV (Abert) lançou a campanha "A Voz Que Eu Quero Ouvir" em defesa da flexibilização do programa de rádio A Voz do Brasil.

A entidade quer que a população apoie o abaixo-assinado pedindo aos deputados a votação do projeto de lei da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) que altera o horário do programa.

Atualmente, A Voz do Brasil é veiculada pelas rádios de todo o País de segunda a sexta, das 19 às 20 horas. Com a mudança, poderia ser transmitido entre 19 e 22 horas.

Projeto na Câmara
O Projeto de Lei 595/03, da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), apresentado em 2003, originalmente estendia o horário até meia-noite e meia, mas o texto foi alterado no Senado. Agora, a proposta precisa ser novamente aprovada no Plenário da Câmara para virar lei. Se o texto for aprovado e sancionado pela presidente Dilma, a transmissão poderá começar às 19h, 20h ou 21h, dependendo da escolha de cada emissora.

Na opinião do diretor-geral da Abert, Luiz Roberto Antonik, o horário do programa A Voz do Brasil precisa se adequar à realidade atual do País. "Não se trata de jogar a Voz do Brasil na madrugada, de acabar com ela, nada disso. A rádio, dependendo do ouvinte que ela tem, escolheria qual o horário que melhor se adaptaria a seu público.”

Antonik citou como exemplo a emissora que transmite futebol. Na opinião do dirigente, ela deve continuar transmitindo a Voz do Brasil às 19 horas. “O futebol começa 20h30, 21h, então não dá para colocar a Voz do Brasil às 21h. Essa rádio que transmite futebol tem que permanecer com o programa às 19h. São milhares delas.”
Para as emissoras que transmitem trânsito, ele considera que a rádio vai deslocar A Voz do Brasil para as 20h ou para as 21h. “O ouvinte desta rádio, nesta hora, está interessado em saber o que está acontecendo no trânsito."

Cultura brasileira
Já o deputado Amauri Teixeira (PT-BA) é contra a mudança. De acordo com ele, o horário das 19 horas deve ser mantido porque já faz parte da cultura brasileira. "Mudar o horário significa diluí-lo, dispersar, perder referência. Na verdade a campanha não coloca a verdadeira intenção que é diluir a Voz do Brasil, dispersá-la e perder referência. Hoje há uma referência forte no Brasil todo em relação ao horário, inclusive de quem está no trânsito."

Lançada durante o governo de Getúlio Vargas, A Voz do Brasil está no ar desde 1935.

Reportagem - Idhelene Macedo
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta