Trabalho, Previdência e Assistência

Comissão aprova regulamentação da profissão de designer de interiores

02/12/2013 - 22:03  

TV Câmara
Dep. Andreia Zito (PSDB-RJ)
Andréia Zito: maior oposição ao projeto vem das entidades de arquitetos.

Depois de mais de 30 anos de luta, os designers de interiores poderão ter sua profissão reconhecida. A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou na última quarta-feira (27) proposta que regulamenta a atividade (PL 4692/12).

De acordo com o projeto, o designer de interiores é o profissional que planeja e organiza espaços, visando ao conforto e à estética, à saúde e à segurança. O autor da proposta, deputado Ricardo Izar (PSD-SP), ressaltou que a profissão existe há mais de 100 anos, mas não é regulamentada porque sofre preconceito.

De acordo com a relatora na Comissão de Trabalho, deputada Andreia Zito (PSDB-RJ), a maior oposição vem das entidades de arquitetos. "Existe uma resistência muito grande por parte dos arquitetos. Eles insistem que designers não podem ser qualificados como uma profissão porque já existe a arquitetura, e esse trabalho eles já fazem", disse a relatora, que deu parecer favorável ao projeto.

Formação
De acordo com dados da Associação Brasileira de Designers de Interiores (ABD), o País tem hoje 182 escolas técnicas e faculdades de design de interiores reconhecidas pelo Ministério da Educação, que formam 8 mil profissionais por ano.

A diretora da associação, Angela Borsoi, afirmou que a profissão exige muito estudo e que a ABD é extremamente rigorosa para aceitar novos membros. Para cursos técnicos, são exigidas 800 horas/aula. Faculdades devem ter 2.800 horas/aula.

Angela Borsoi disse que não há semelhança entre seu trabalho e o de arquitetos. "Arquitetura é perene, e design de interiores é feito para o ser humano habitar com todas as peculiaridades de uso específico. Por exemplo, um arquiteto projeta um hospital hoje que, no decorrer dos anos, pode ser transformado em um hotel. O designer de interiores é preparado com uma expertise para transformar esse interior e o adaptar à nova realidade e ao uso específico nos mínimos detalhes", explicou.

Requisitos
Segundo o projeto aprovado na Comissão de Trabalho, o exercício da profissão de designer de interiores é assegurado aos portadores de diploma:
• de bacharelado em designer de interiores, composição de interiores, design de ambientes e tecnólogos em design de interiores expedidos por instituição brasileira de ensino superior oficialmente reconhecida;
• de bacharelado em outros cursos superiores de áreas afins, como arquitetura, desenho industrial e artes plásticas, desde que esses profissionais venham exercendo, comprovada e ininterruptamente, as atividades de designer de interiores por, pelo menos, dois anos;
• de técnico em decoração ou designer de interiores.

Tramitação
O projeto tem caráter conclusivo e seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

Reportagem – Vania Alves
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta