Segurança

Maia vê com cautela proposta de novo plebiscito sobre desarmamento

12/04/2011 - 22:30  

JBatista
Presidente Marco Maia
Maia: é preciso ouvir a sociedade para evitar gastar em um plebiscito que pode manter a mesma decisão.

A chacina na escola Tasso da Silveira, em Realengo, no Rio de Janeiro, ocorrida na última semana, reacendeu no Congresso Nacional o debate sobre o desarmamento e a segurança pública no Brasil. No Senado, o presidente José Sarney acordou com os líderes a apresentação de projeto de decreto legislativo para realizar novo plebiscito sobre o desarmamento.

A proposta, entretanto, foi recebida com cautela pelo presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia. "Nós já fizemos um plebiscito, que demonstrou a opinião da população acerca do desarmamento e que foi, na minha avaliação, muito firme, muito contundente.”

Em outubro de 2005, 63,94% dos eleitores votaram pelo 'não' no desarmamento. “Precisamos agora dialogar, fazer um bom debate, ouvir a sociedade para depois tomar alguma decisão. Acho sempre muito ruim tomar decisões no calor, na emoção de um fato ocorrido. Nessas questões, quanto mais equilibrados nós formos, quanto mais ouvirmos a sociedade, melhor será para tomar uma decisão que não vá apenas trazer gastos e manter a mesma decisão que já foi tomada sobre essa matéria".

Cultura da paz
Parlamentares estão organizando o lançamento de uma Frente Parlamentar Mista pelo Desarmamento para fortalecer a cultura da paz. Na opinião do deputado Chico Alencar (Psol-RJ), é preciso discutir a circulação das armas no Brasil, o comércio, a letalidade. “A gente não pode considerar que a aprovação do Estatuto do Desarmamento simplesmente já resolveu a situação. Temos no Brasil 14 milhões de armas em mãos civis. Temos, só no Rio de Janeiro, por exemplo, 560 mil armas ilegais circulando e podendo ser usadas para os objetivos mais torpes.”

Segundo informou, a frente vai cobrar das autoridades responsáveis o controle maior dessa circulação, a prática, a efetivação da lei e fazer debates envolvendo a cultura da paz.

Projetos em tramitação
O líder do PSDB, deputado Duarte Nogueira (SP), apresentou nesta terça-feira, projeto (PL 997/11) que obriga os fabricantes a instalar um chip com os dados de identificação e segurança das armas de fogo. O deputado explica que a medida vai contribuir para um controle maior e melhor da localização de armas de fogo que circulam no País.

Apresentado em fevereiro deste ano, um projeto (PL 496/11) do deputado Sandro Mabel (PR-GO), torna obrigatória a instalação de detectores de metais nas escolas públicas e privadas. Segundo Marco Maia, a proposta pode ser uma boa opção para garantir segurança às crianças, mas será preciso analisar os custos para o poder público.

Reportagem - Verônica Lima/ Rádio Câmara
Edição - Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Sua opinião sobre: PL 496/2011

Íntegra da proposta