Cidades e transportes

Chuvas: bancada quer destinar R$ 190 milhões para cidades do Rio

09/04/2010 - 19:01  

Deputados do Rio de Janeiro vão abrir mão de R$ 190 milhões, metade dos recursos destinados às emendas da bancada no Orçamento da União de 2010, para socorrer as cidades atingidas pela chuva no estado. O deputado Alexandre Cardoso (PSB-RJ) explica que a ideia é transferir esses recursos para as cidades do Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo por meio de uma medida provisória. Os deputados devem procurar o presidente Lula na terça-feira (13) para apresentar a proposta.

As enchentes no Rio de Janeiro começaram na segunda-feira (5) e, segundo a Defesa Civil, já deixaram mais de 11 mil desabrigados. Os desalojados somam mais de 40 mil na tragédia, que já causou mais de 192 mortes.

Alexandre Cardoso é o coordenador da comissão externa da Câmara criada para acompanhar as ações do governo do Rio e das prefeituras nas cidades atingidas pelas chuvas. O grupo, integrado por 15 deputados do Rio, visitou nesta sexta-feira (9) as áreas onde houve deslizamentos. Segundo o deputado, a bancada fluminense está unida para encontrar uma solução para o problema.

Dragagem
Uma das demandas dos parlamentares é a dragagem da desembocadura dos rios da Baía de Guanabara. "Não adianta limpar os canais no meio de Caxias, de São João. Nós temos que limpar a desembocadura desses rios", explicou Cardoso, ressaltando que a bancada fluminense tem o compromisso de mapear os pontos vulneráveis da Grande Rio. Uma das ideias, disse Cardoso, é contratar uma universidade para fazer o mapeamento e encontrar soluções duradouras.

O deputado Brizola Neto (PDT-RJ), que também integra a comissão externa, destacou a necessidade de uma política habitacional para a população das áreas de risco. "Uma coisa que deve ficar clara é que as pessoas não moram em áreas de risco porque querem. Elas são levadas a ocupar esses locais por falta de uma política habitacional dos governos, principalmente do governo federal", ressaltou.

O Rio de Janeiro, especialmente o município, prosseguiu Brizola Neto, tem poucas áreas disponíveis para ocupação, mas ele disse acreditar que "é possível fazer um grande esforço, inclusive com desapropriações de utilidade pública”, para programas habitacionais serem executados nessas áreas.

A comissão externa deve produzir um relatório que balizará a elaboração do próximo Orçamento da União, com o objetivo de adequar a distribuição dos recursos e apontar providências de médio e longo prazos na área de infraestrutura.

Reportagem - Geórgia Moraes/Rádio Câmara
Edição - Maria Clarice Dias

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.