Meio ambiente e energia

Deputada diz que envenenamento da água pode afetar a todos, indistintamente

Em seminário na Câmara que celebrou o Dia Mundial da Água, o filósofo Leonardo Boff defendeu pacto social mundial

22/03/2023 - 19:27  

O Dia Mundial da Água foi celebrado durante seminário realizado nesta quarta-feira (22) na Câmara dos Deputados. A iniciativa do debate foi da deputada Erika Kokay (PT-DF), em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), que também promoveram encenações e manifestações em defesa da água.

Participante do evento, o filósofo Leonardo Boff citou os problemas mundiais em torno da água – como escassez, disputas fronteiriças e exploração econômica por meio de multinacionais – e defendeu um grande consenso internacional em torno do tema.

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Deputada Célia Xakriabá no Plenário da Câmara
Célia Xakriabá citou problemas dos povos indígenas com contaminação da água

“Nenhuma questão hoje é mais importante do que a água. Dela depende a sobrevivência de toda a cadeia de vida e, consequentemente, a solidariedade social e a cooperação. É o elemento que pode ser a base para um pacto social mundial que não existe ainda e é urgente que exista. Da forma como tratarmos a água, dependerá, em parte, o futuro da vida no planeta”, salientou.

Povos tradicionais
Leonardo Boff elogiou os movimentos sociais, como o Movimento dos Atingidos por Barragens, que não se restringiram aos riscos de rompimento de barragens e também denunciam os perigos da “privatização” da água e do deslocamento forçado das populações, sobretudo os ribeirinhos e povos tradicionais.

A agricultora familiar Maria José, por exemplo, contou os riscos ao rio Formoso, no oeste da Bahia, região de expansão do agronegócio. “Esses grandes empreendimentos tiram o nosso sossego. Em pleno período de pandemia, nós passamos por vários assédios e violações de direitos. As empresas barrageiras começaram a chegar a Coribe e Jaborandi com projeto de represar o nosso rio, construindo um muro de 37 metros e alagando uma área de mais de 500 hectares", criticou. Ainda segundo Maria José, o longo do tempo, as empresas mudam de nome "porém, o projeto é o mesmo, de apropriação de nossas terras e de nossas águas”, acusou.

A deputada Célia Xakriabá (Psol-MG) também citou conflitos recentes envolvendo os indígenas. “Os Yanomami estão passando sede e passando fome porque eles têm o território contaminado, as águas contaminadas, os peixes contaminados: 70% das crianças Yanomami estão com as vidas condenadas pelo mercúrio. No povo Guarani-Kaiowá, as mães têm os filhos contaminados ainda no útero pelo envenenamento", denunciou a deputada.

"Se as pessoas, inclusive no Congresso Nacional, não se sentem sensibilizadas porque não estão sujeitas a morrer pelos conflitos territoriais e pelo conflito das águas, nós vamos morrer por algo comum, que é o veneno que chega às nossas mesas”, lamentou Célia Xakriabá.

 

 

 

 

Direito fundamental
A deputada Maria do Rosário (PT-RS) disse que a Câmara está atenta ao tema. A Casa analisa a proposta (PEC 6/21) que inclui o acesso à água potável na lista de direitos e garantias fundamentais da Constituição.

“A questão climática, o manejo das lavouras, o uso de agrotóxicos e todo esse modelo de exploração da natureza acabam prejudicando enormemente a água para o consumo humano", disse a parlamentar. "Trabalhar o manejo de ecossistemas, protegendo as nascentes e garantindo que o saneamento e o acesso à água potável sejam percebidos e assegurados como direito humano, é a missão nesse dia em que celebramos o direito à água no Brasil e no mundo”, afirmou.

Data comemorativa
O Dia Mundial da Água foi criado na Eco-92, a conferência da ONU sobre meio ambiente realizada no Rio de Janeiro. Para este ano de 2023, a ONU sugeriu o tema “Acelerando mudanças: seja a mudança que você quer ver no mundo”, com foco em consciência sobre o uso racional da água. O Brasil tem 13,7% dos recursos hídricos do mundo, mas enfrenta problemas crônicos de desperdício e de desigualdade na distribuição de água.

Reportagem - José Carlos Oliveira
Edição - Ana Chalub

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta