Meio ambiente e energia

Comissão externa debate cumprimento de acordo entre vítimas e Samarco após rompimento de barragem

Deputados reclamam de lentidão no atendimento às vítimas mais de cinco anos depois do desastre

03/02/2022 - 08:04  

Fred Loureiro / Secom-ES / Fotos Públicas
onda lama - Samarco - poluição - mar - praia - Rio Doce
Rompimento da barragem da Samarco causou a morte de 19 pessoas

A Comissão Externa sobre Rompimento da Barragem Fundão promove audiência pública nesta quinta-feira (3), às 9h30, para debater a repactuação do acordo referente ao rompimento da barragem da Samarco e o impacto das enchentes nas bacias do rio Doce e rio Paraopeba.

O evento terá transmissão interativa pelo e-Democracia.

O rompimento da barragem de Fundão, da Samarco Mineração, ocorrido
há mais de seis anos, no município de Mariana (MG), causou a morte de 19 pessoas e é considerado um dos maiores desastres ambientais do País.

O acordo feito em 2016 previu a instituição da Fundação Renova, com objetivo de promover medidas reparatórias e compensatórias, socioambientais e socioeconômicas, com recursos da Samarco.

Os autores do pedido para realização da audiência, deputados Rogério Correia (PT-MG) e Helder Salomão (PT-ES), alertam para a lentidão na adoção dessas medidas e citam o  exemplo das famílias das comunidades de Bento Rodrigues, Paracatu de Baixo e Gesteira, devastadas pela lama, e que até hoje continuam sem suas moradias.

Foram convidados para a audiência representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública, das prefeituras e Assembleias Legislativas da região, além dos movimentos sociais.

Da Redação - GM

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.