Saúde

Comissão geral debate combate ao coronavírus no Brasil

O debate ocorrerá no plenário 1 das comissões

11/03/2020 - 08:03   •   Atualizado em 11/03/2020 - 08:04

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para discussão e votação de diversos projetos
Câmara ouvirá autoridades e especialistas na área de saúde

A Câmara dos Deputados debate hoje, em comissão geral, as ações preventivas de vigilância sanitária e possíveis consequências para o Brasil quanto ao enfrentamento do coronavírus (Covid-19).

O debate, marcado para as 13h55, ocorre por sugestão da deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), no plenário 1. Zanotto foi relatora do projeto que deu origem à lei que regula a situação de emergência para combater o coronavírus (Lei 13.979/20).

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confirmou presença. Ele virá acompanhado do secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson Kléber de Oliveira.

Comissão externa
Também hoje, a comissão externa da Câmara que acompanha o enfrentamento do coronavírus se reúne para votar requerimentos. O coordenador da comissão, deputado Dr. Luiz Antonio Teixeira Jr. (PP-RJ), ressalta que o surto da doença ganhou contornos mais graves com a atual repercussão na economia dos países e, especificamente no Brasil, com a alta do dólar, queda dos índices das bolsas de valores e queda mundial do preço do petróleo.

De acordo com o deputado, talvez os brasileiros tenham que se preparar para medidas mais rigorosas. “Eu acho que o Brasil terá que tomar uma série de medidas mais drásticas, com suspensão de algumas rotas internacionais e provavelmente também um controle alfandegário das pessoas”, declarou.

Ele manifestou preocupação com o controle de um eventual reajuste de preços em farmácias, maior vigilância em portos e aeroportos e até planos de contingência que envolvam a frequência às aulas.

“Temos que manter a tranquilidade com a população, mas acho que a implementação de medidas mais duras virá nos próximos dias, e a população tem que estar sensibilizada a isso para evitar a disseminação desta doença”, disse o deputado.

Na semana passada, o Ministério da Saúde já anunciou reforço nas estruturas de atenção primária e informou que todas as pessoas que chegarem ao Brasil de países da América do Norte, Europa e Ásia e tiverem sintomas como febre, coriza, tosse e falta de ar poderão ser consideradas casos suspeitos de Covid-19.

No mundo, são mais de 110 mil casos com mais de 3.800 mortes, em mais de 80 países.

 

Da Redação
Com informações da Rádio Câmara

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.