Saúde

Mulher que aborta poderá ter prioridade em atendimento psicológico e social

02/08/2019 - 15:32  

O Projeto de Lei 3391/19 estabelece prioridade na assistência psicológica e social para a mulher que abortar. A prioridade também vale para mortes de recém-nascidos de até sete dias.

O texto altera a Lei Orgânica da Saúde (Lei 8.080/90) para prever o atendimento prioritário nos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). A proposta, do deputado Fábio Faria (PSD-RN), tramita na Câmara dos Deputados.

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Eleição para presidente e demais cargos da Mesa Diretora da Câmara
Faria: A assistência psicológica pelo SUS a essas mulheres é essencial

Segundo Faria, a perda de um filho, seja durante a gestação, no parto ou após o nascimento, é um acontecimento trágico, com sérios danos à saúde mental da mulher.

“Muitas mulheres desenvolvem transtorno de estresse pós-traumático e depressão. Não é apenas um feto que falece, é todo um projeto de vida da mulher que desaparece”, disse.

Para o deputado, é essencial que os serviços de saúde estejam atentos para o sofrimento das mulheres cuja gravidez resultou em óbito do bebê.

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Defesa dos Direitos da Mulher; de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Reportagem - Tiago Miranda
Edição - Marcia Becker

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta