Ciência, tecnologia e Comunicações

Glenn Greenwald diz que conversas de Moro divulgadas na internet são autênticas

A deputada Carla Zambelli questionou a autenticidade das mensagens. Diversos parlamentares defenderam a convocação de Moro

25/06/2019 - 23:49   •   Atualizado em 26/06/2019 - 11:10

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre a atuação de juízes e procuradores brasileiros no âmbito da Operação Lava Jato. Jornalista fundador do jornal The Intercept, Glenn Greenwald
Glenn Greenwald afirmou que continuará trabalho de divulgação do lado "obscuro" da Lava Jato

O fundador e colunista do site The Intercept Brasil, Glenn Greenwald, disse em audiência pública na Câmara dos Deputados que, na sua opinião, houve conluio entre o ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, e os procuradores da República que compõem a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba para fraudar a democracia. Para o jornalista, houve parcialidade nas decisões proferidas no julgamento dos processos relacionados à operação. Um dos principais prejudicados, segundo ele, teria sido o ex-presidente Lula.

Greenwald defendeu a liberdade de imprensa e a transparência e reafirmou a autenticidade das conversas vazadas entre o ex-juiz e procuradores da Lava Jato, no aplicativo Telegram, que estão sendo publicadas pelo site The Intercept Brasil desde 9 de junho.

O jornalista afirmou que o site  está enfrentando as pessoas mais poderosas do País, o que resultou em ameaças contra a sua vida e a de sua família. Ele disse ainda que continuará o trabalho de divulgação do “lado obscuro da Lava Jato”.

"A Constituição protege e garante a liberdade de imprensa contra os ataques que Sérgio Moro e o partido do governo estão tentando fazer. Ninguém [no site] tem medo do seu partido [PSL]. Nem seu partido, nem o governo do Bolsonaro, nem Sérgio Moro podem fazer nada para impedir a publicação dos documentos até o final", disse.

O depoimento na Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (25) durou seis horas e meia. Quarenta deputados do governo e da oposição se alternaram para falar a favor do jornalista e contra.

Crime
Falando em nome da liderança do governo, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) afirmou que os documentos vazados eram resultado de crime de hackeamento e que as conversas não eram autênticas. "Querem criar um caso em torno de algo que não existe. Querem dizer que o Sérgio Moro cometeu um crime, porque eu recebi de uma fonte anônima. Quer dizer, tudo pode, só não pode pegar o fato real, os áudios e periciar as provas”, criticou.

CPI
Vários deputados defenderam a convocação do ministro Sérgio Moro e a criação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar o caso.

O deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA), um dos autores do pedido para a realização da audiência, defendeu a criação da CPI. "Acho que vamos obter as assinaturas necessárias para passar a limpo a operação Lava Jato”, disse. 

Jerry enfatizou que o pedido de investigação não tem o objetivo de enfraquecer o combate à corrupção. “Para combater a corrupção, não se deve aceitar o cometimento de ilegalidades. Precisamos combater a corrupção cumprindo a lei", disse.

Deputados presentes à audiência também formalizaram um pedido para que a Câmara garanta a segurança do fundador do site The Intercept.

Ouça esta reportagem na Rádio Câmara

Da Redação/WS

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.