Política e Administração Pública

Movimento apresenta ao presidente da Câmara pedido de impeachment de Dilma

27/05/2015 - 16:28   •   Atualizado em 27/05/2015 - 20:28

Alex Ferreira / Câmara dos Deputados
Manifestantes protestam no gramado do Congresso Nacional
Mais cedo, os manifestantes fizeram protesto na frente do Congresso Nacional.

Integrantes do Movimento Brasil Livre protocolaram, nesta quarta-feira (27), na Presidência da Câmara, pedido de impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff. Renan Santos, coordenador do movimento, disse que o presidente da Casa, Eduardo Cunha, assumiu o compromisso de que fará a análise técnica adequada.

Segundo Renan Santos, a marcha a pé de São Paulo a Brasília, iniciada após as manifestações de 15 de abril, teve o objetivo de trazer a principal reivindicação das ruas: a saída de Dilma Rousseff. "Pesquisas dizem que mais de 60% da população querem o impeachment e cerca de 87% da população repudiam seu governo. Hoje nosso pedido de impeachment, com pareceres técnicos e laudos de grandes juristas, foi protocolado aqui na presidência (da Câmara) e deverá ser levado a sério. A resposta do presidente da Câmara foi diferente de todas as respostas dadas aos outros pedidos. O que posso dizer é que o jogo continua e agora é colocar pressão porque esse pedido vai sim ter que ser votado."

J.Batista/Câmara dos Deputados
Movimento Brasil Livre entrega abaixo assinado ao presidente da Câmara dep. Eduardo Cunha pedindo impeachment da Presidente Dilma Rousseff
Líderes do PSDB, Democratas e Minoria acompanharam os manifestantes.

Cunha declarou que fará a análise técnica do documento antes de se pronunciar sobre seu conteúdo. "Preciso estudar [o pedido], não posso ser leviano de concordar sem ler", disse o presidente da Câmara.

Líderes do PSDB, Democratas e Minoria acompanharam os manifestantes. Segundo o líder tucano, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), o pedido de impeachment é baseado na doutrina, na técnica e na jurisprudência. "Por ser um pedido que tem um parecer sólido e argumentos jurídicos fortes, o presidente da Casa, diferentemente do que ocorreu em outras oportunidades, deixou claro que vai se debruçar sobre este pedido de impeachment, pedir à assessoria técnica da Casa e pareceres de fora da Casa para decidir favoravelmente ou contrário ao acolhimento do impeachment", ressaltou Sampaio.

Qualquer que seja a decisão da Presidência da Câmara, pelo arquivamento ou não da matéria, há possibilidade de recurso.

Reportagem - Idhelene Macedo
Edição - Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.