Ciência, tecnologia e Comunicações

Deputados repercutem programa do governo de incentivo à tecnologia

20/08/2012 - 20:46  

Arquivo/ Saulo Cruz
Eduardo Azeredo
Eduardo Azeredo: “Vamos acompanhar [o programa], para que não tenha o mesmo futuro que a Foxconn.”

O presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), fez uma avaliação positiva do Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (Programa TI Maior), lançado nesta segunda-feira (20) pelo governo federal.

O TI Maior prevê recursos para a melhoria da formação profissional e da infraestrutura industrial do setor e para o incentivo à produção de software nacional.

“O programa tem uma boa meta. Esperamos que possa realmente funcionar, porque o governo, às vezes, faz alguns anúncios e isso não se torna realidade.”

O plano prevê investimentos de R$ 500 milhões no setor de tecnologia até 2015. Os recursos sairão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. As pequenas empresas dedicadas à inovação, mais conhecidas como startups, vão receber R$ 40 milhões para ampliar a geração de emprego e renda.

“É um projeto ambicioso, prevê investimentos importantes que podem ajudar no desenvolvimento do software no Brasil. São 15 setores considerados prioritários dentro da área da inovação”, disse Azeredo.

O deputado ressaltou, no entanto, a necessidade de o Parlamento fiscalizar as ações do programa. “Vamos acompanhar, para que não tenha o mesmo futuro que a Foxconn.”

A Foxconn é uma fabricante de Ipads de Taiwan que anunciou, no ano passado, investimentos de 12 bilhões de dólares no Brasil, mas até hoje não efetivou a medida.

Renato Araújo
Homenagem aos 50 anos da empresa Agrale - dep. Izalci (PR-DF)
Izalci: “Estava faltando um pacote para incentivar a pesquisa e a inovação e prestigiar o software nacional.”

Incentivos
Outro integrante da comissão, o deputado Izalci (PR-DF) também manifestou apoio ao incentivo para o setor tecnológico. “Estava faltando um pacote para incentivar a pesquisa e a inovação e prestigiar o software nacional.”

Izalci ressaltou que o Programa TI Maior também contempla os parques tecnológicos, “uma demanda já de muito tempo, principalmente para exportação”. “Haverá, realmente, um recurso significativo no investimento, o que é uma boa iniciativa.”

O TI Maior foi elaborado em articulação com outros planos governamentais que já passaram pelo Congresso, como o Programa de Aceleração do Crescimentos (PAC) e o Brasil Maior. O programa também vai incentivar o desenvolvimento de softwares em nichos específicos, como saúde, educação, segurança e mineração.

Atualmente, o Brasil tem o sétimo maior mercado interno de tecnologia da informação no mundo.

Reportagem – José Carlos Oliveira/Rádio Câmara
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.