Política e Administração Pública

Marco Maia: prorrogação de restos a pagar beneficia municípios

30/06/2011 - 16:42  

Beto Oliveira
Presidente Marco Maia
Marco Maia: prefeitos terão nova chance de viabilizar projetos importantes.

O presidente da Câmara, Marco Maia, afirmou que a prorrogação da validade dos restos a pagar referentes ao Orçamento de 2009 era aguardada com ansiedade por parlamentares e prefeitos. "Havia uma expectativa por parte dos deputados e senadores pelo anúncio da medida, para dar nova oportunidade aos prefeitos de viabilizar projetos importantes para suas cidades", disse.

A prorrogação por 90 dias do prazo para a execução das emendas parlamentares ao Orçamento de 2009 incluídas nos restos a pagar foi anunciada nesta quinta-feira pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. A redação anterior do Decreto 7.468/11 previa que as obras não iniciadas até ontem teriam os empenhos cancelados, atingindo uma série de convênios financiados com recursos de emendas parlamentares.

A possibilidade de cancelamento dos recursos comprometia as relações entre governo e Congresso e inviabilizou as votações no Plenário da Câmara na quarta-feira (29). Parlamentares, principalmente da base aliada, argumentavam que o atraso no início dos projetos se dava por questões alheias às prefeituras ou ao Parlamento, como problemas com licenças ambientais ou com a Caixa Econômica Federal.

Deputados da oposição e governistas analisam a decisão do Governo sobre restos a pagar em entrevista à TV Câmara.

Novas emendas
Mantega explicou que, com a prorrogação dos restos a pagar, a liberação de novas emendas parlamentares fica adiada pelo mesmo período. "Não haverá liberação de novas emendas durante esse período de três meses. Essa postergação da validade desses restos a pagar não afeta o resultado fiscal do governo, que vai continuar implementando o corte de R$ 50 bilhões e, portanto, vai ter o resultado fiscal que já foi anunciado de superavit primário acima de 3% até o fim do ano", declarou.

O ministro lembrou que, de janeiro a maio deste ano, o esforço fiscal resultou em uma economia de R$ 64,8 bilhões aos cofres públicos. Ele destacou que, no mesmo período do ano passado, o superavit foi de R$ 39,9 bilhões.

Reportagem – Ana Raquel Macedo/Rádio Câmara
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.