Direitos Humanos

Comissão mista promove apresentação de estudos sobre violência de gênero

28/02/2024 - 06:25  

Vinícius Melo/SMDF
Direitos Humanos e Minorias - Mulheres - Estação Galeria recebe primeira ação da campanha “Mulher, não se Cale!” - violência doméstica - Violência contra a mulher

A Comissão Permanente Mista de Combate à Violência contra a Mulher reúne-se nesta quarta-feira (28) para a apresentar a "10ª edição da Pesquisa Nacional de Violência contra a Mulher" e o "Mapa Nacional da Violência de Gênero". O debate será realizado às 14h30, no plenário 2 da ala Nilo Coelho, no Senado.

Os interessados poderão acompanhar a reunião pela internet.

A 10ª edição da “Pesquisa Nacional de Violência contra a Mulher” foi elaborada pelo Instituto de Pesquisa DataSenado, com o Observatório da Mulher contra a Violência (OMV) e a Procuradoria Especial da Mulher. "A pesquisa, que é a maior e mais longa série histórica sobre a temática do País, ouviu mais de 21 mil mulheres na edição de 2023", explica a senadora Augusta Brito (PT-CE), que preside o colegiado.

Já o ‘’Mapa Nacional da Violência de Gênero’’, conforme Augusta Brito, foi elaborado pelo OMV em parceria com o Instituto Avon e a organização de jornalismo de dados Gênero e Número. Trata-se de um painel interativo com as principais bases nacionais de dados de violência de gênero. A plataforma digital facilitará o acesso a bases de dados da Saúde e da Justiça.

Convidados
Foram convidados para a reunião:
- a procuradora Especial da Mulher, senadora Zenaide Maia (PSD-RN);
- a chefe do serviço de Pesquisa e Análise do Instituto de Pesquisa DataSenado, Isabela de Souza Lima Campos;
- a coordenadora do Observatório da Mulher Contra a Violência, Maria Teresa F. P. M. Fröner; e
- pesquisadora de Antropologia da Universidade de São Paulo e Coordenadora do Instituto Avon, Beatriz Accioly Lins.

A comissão
A Comissão Permanente Mista de Combate à Violência contra a Mulher, formada por 12 deputadas e 12 senadoras, tem a competência de propor ações de segurança pública para mulheres vítimas de violência, realizar audiências públicas e colaborar com a política nacional de enfrentamento à violência.

O colegiado tem também a atribuição de acelerar a votação de projetos importantes e de garantir mais recursos no Orçamento para proteção das mulheres.

 

 

Da Redação – RL

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.