Trabalho, Previdência e Assistência

Projeto altera regras do sistema de pensão para PMs e bombeiros

Comissões da Câmara dos Deputados vão analisar a proposta

06/10/2023 - 12:40   •   Atualizado em 06/10/2023 - 16:40

Bruno Spada/Câmara dos Deputados
Deputado Capitão Augusto fala ao microfone
O autor da proposta, deputado Capitão Augusto

O Projeto de Lei 3291/23 permite aos militares estaduais escolher os benefícios e deveres da reforma das pensões de 2019 ou ficar na regra anterior. O texto em análise na Câmara dos Deputados altera a Lei de Reorganização da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar (Decreto-Lei 667/69).

Com a reforma do sistema de proteção social de militares das Forças Armadas e estaduais (PMs e bombeiros), houve, entre outros pontos, aumento no tempo mínimo de serviço, de 30 para 35 anos, e elevação das contribuições mensais, de 7,5% para 10,5% da remuneração bruta, para ativos, reformados e pensionistas.

“Algumas autoridades querem aplicar as obrigações da nova lei, como a cobrança de contribuição de ativos, inativos e pensionistas, mas não querem conceder a integralidade e a paridade da remuneração dos reformados e da pensão com os salários da ativa”, disse o autor da proposta, deputado Capitão Augusto (PL-SP).

Segundo o parlamentar, o projeto atende reivindicação da Associação Nacional de Entidade Representativas de Militares Estaduais (Anermb).

O projeto de lei também permite aos militares estaduais a averbação do tempo de serviço em outra atividade pública ou privada até 31 de dezembro de 2019.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Reportagem – Ralph Machado
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta