Economia

Presidente do Banco Central defende “pouso suave” da economia

Dados do Banco Central mostram que a inflação caiu 8,7 pontos percentuais entre 2022 e 2023

27/09/2023 - 15:18   •   Atualizado em 28/09/2023 - 18:22

Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Política monetária e erro contábil no fluxo cambial. Presidente - Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto.
Campos Neto: "Juros são altos, mas espero melhorias com esforço fiscal do governo"

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu a atual condução da política monetária em debate nesta quarta-feira (17) na Câmara dos Deputados. Ele ressaltou que a inflação está em queda, reconheceu que os juros no Brasil são altos e disse que espera melhoria nos indicadores com um esforço fiscal do governo.

Segundo Campos Neto, a economia segue em uma “trajetória de pouso suave”, com desempenho melhor do que muitos países. “Pouso suave é reduzir a inflação com o menor custo possível para a sociedade, comparando a queda na inflação e os efeitos no Produto Interno Bruto (PIB), no desemprego e no crédito”, explicou.

Os dados do Banco Central mostram que a inflação caiu 8,7 pontos percentuais entre 2022 e 2023, ao mesmo tempo em que houve uma variação negativa de 0,3 ponto percentual na estimativa de crescimento do PIB. Hoje, a expectativa do mercado é de inflação de 4,86% neste ano e de crescimento do PIB de 2,92%.

Juros
Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu a taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, para 12,75% em valores nominais – uma das mais altas do mundo. O colegiado decidiu, por unanimidade, que mais adiante poderá haver novos cortes de 0,5.

“Quando comparamos as taxas de juros nominais no Brasil em diversos períodos, a gente vê que de 2019 a 2023, na média, foi o período com as menores taxas de juros da história recente”, disse Campos Neto. Essa média foi de 7,6% ao ano (até agosto último), ante cerca de 19% entre 1999 e 2006 e 11% entre 2007 e 2018.

Câmbio
Além da política monetária, o presidente do Banco Central (BC) foi convidado pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara para explicar um erro no fluxo cambial de cerca de R$ 14,5 bilhões, entre outubro de 2021 e dezembro de 2022. Corrigido o erro, o mercado de câmbio passou de superavitário para deficitário.

Ao responder os questionamentos do deputado Lindbergh Farias (PT-RJ), Campos Neto disse que houve uma falha operacional, já saneada. Ele minimizou o caso, afirmando que a diferença equivalia a 0,4% de todo o mercado de câmbio, e informou que o Tribunal de Contas da União já deu o aval àquelas estatísticas.

Fiscal
Durante o debate, Lindbergh Farias também criticou comentários do BC sobre temas fiscais. “É uma interferência completa na política econômica”, reclamou o deputado. “Falamos do fiscal porque é uma das dimensões do modelo, se olhar ata a ata, falávamos mais antes do que agora”, rebateu Campos Neto.

“Possivelmente o Banco Central deverá ser eleito o melhor do mundo em 2023, repetindo o sucesso”, disse o deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), um dos vice-líderes da oposição ao governo Lula. Em 2020 e 2022, Campos Neto ganhou prêmios pela atuação na pandemia, e o BC, neste ano, pela gestão das reservas.

Participações
O presidente da Comissão de Finanças, deputado Paulo Guedes (PT-MG), coordenou os trabalhos.

Participaram os deputados Adriana Ventura (Novo-SP), Abilio Brunini (PL-MT), Capitão Alberto Neto (PL-AM), Coronel Chrisóstomo (PL-RO), Emanuel Pinheiro Neto (MDB-MT), Fernanda Melchionna (Psol-RS), Gilson Marques (Novo-SC), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Guilherme Boulos (Psol-SP), Jilmar Tatto (PT-SP), Luiz Carlos Hauly (Podemos-PR), Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PL-SP), Lula da Fonte (PP-PE), Marcel van Hattem (Novo-RS), Mauro Benevides Filho (PDT-CE), Merlong Solano (PT-PI), Newton Cardoso Jr (MDB-MG), Pedro Paulo (PSD-RJ) e Sidney Leite (PSD-AM).

YouTube

 

Reportagem – Ralph Machado
Edição – Ana Chalub

  • Áudio da matéria

    Ouça esta matéria na Rádio Câmara

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.