Rádio Câmara

Reportagem Especial

Quem são os 2,5 milhões de brasileiros que vivem no exterior?

  • Quem são os 2,5 milhões de brasileiros que vivem no exterior? (bloco 1)

  • Crise no primeiro mundo trouxe migrantes de volta ao Brasil (bloco 2)

  • Como o Parlamento pode ajudar a vida de quem decidiu morar lá fora? (bloco 3)

  • Conheça a história de alguns destes brasileiros que vivem no exterior (bloco 4)

O número de brasileiros que vivem no exterior está próximo do número dos que viajam todo ano para fora, como turistas. Os migrantes são levados pela falta de oportunidades e pelo sonho de uma vida melhor. A grande maioria pensa em voltar algum dia. Na Reportagem Especial desta semana, você vai conhecer quem são esses brasileiros; que ações o governo brasileiro adota para melhorar a vida deles; e quais são os principais projetos da Câmara sobre o assunto. Confira agora o primeiro capítulo, com Luiz Gustavo Xavier.

Nos anos 80 e 90, brasileiros migraram para o exterior em razão das sucessivas crises econômicas que o país viveu e, também, dos índices de desemprego. Já na primeira década dos anos dois mil, a visibilidade econômica e social do Brasil passou a atrair de volta os migrantes brasileiros.

Música: Clandestino (Mano Chao)

Dois milhões e meio. Este é o número aproximado de brasileiros que vivem e trabalham no exterior, aos quais se somam aos três milhões e meio que viajam todos os anos para fora do País, como turistas. Para identificar os problemas e a real situação dessas pessoas, a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional debateu o assunto no Seminário “Migração e Cidadania: Desafios para assistência ao migrante brasileiro”.
Desde os anos 80, período em que se intensificou a migração, principalmente para os Estados Unidos e o Japão, a comunidade de brasileiros no exterior tem exigido do Itamaraty mais atenção, mais direitos e maior interlocução de suas demandas. Além disso, cobra maior assistência no retorno desses migrantes ao Brasil para que possam voltar em situação de pleno reestabelecimento, principalmente no contexto atual, no qual o país passou a ter mais visibilidade econômica e social.

De acordo com o subsecretário-geral das Comunidades Brasileiras no Exterior, embaixador Sérgio França Danese, o Itamaraty não inventa os interesses dos migrantes, mas identifica suas demandas a partir de uma crescente interlocução com a comunidade.

“O primeiro grande instrumento de interlocução são os conselhos locais que nós criamos em torno dos postos consulares para reunir representantes das comunidades brasileiras localmente, para que eles possam ter uma interlocução intermediada pelo conselho com o posto consular da sua jurisdição. Esses conselhos são de dois tipos: são conselhos de cidadãos, quando eles são ainda mais embrionários, ou conselhos de cidadania, quando são mais complexos e já são formados por meio de eleições diretas entre os membros das comunidades. Esses conselhos asseguram, portanto, a interlocução básica entre as comunidades locais e os postos consulares que têm jurisdição na área em que vivem essas comunidades. Nós temos uma segunda instância de representação e também de interlocução com a comunidade brasileira no exterior que é o conselho de representantes de brasileiros no exterior. Os conselhos locais indicam alguém que pode ser mudado de acordo com o interesse do conselho local e com isso temos uma capilaridade muito grande desse conselho mundial.”

O embaixador Sérgio França Danese destaca que outras instâncias incluem conferências e plenárias.

“Nós temos uma terceira instância de interlocução que são as conferências brasileiras no mundo, que permitem um debate muito amplo, muito aberto dos temas de interesse da comunidade no exterior. Um quarto nível de interlocução é um sistema de plenárias públicas que nós temos utilizado cada vez mais no exterior, quando temos um tema de interesse nós pedimos aos consulados que em coordenação com os conselhos locais realizem plenárias públicas, consultas, sobre esses temas. E o último nível de interlocução que nós temos com a comunidade é a ouvidoria consular, que era uma das reinvindicações que surgiram nas primeiras conferências brasileiras no mundo, dentro de uma política do governo de ouvidorias públicas, que é a forma de nós auferirmos a qualidade do nosso trabalho.”

Segundo a diretora do Departamento Consular de Brasileiros no Exterior, Luiza Lopes da Silva, há políticas diferenciadas para cada país e ações unilaterais do governo brasileiro, além dos acordos multilaterais, assinados entre os países em caráter de reciprocidade.

“As demandas que nós temos de suprir aos brasileiros no Paraguai e na Bolívia são completamente diferentes daquelas que nós temos de brasileiros nos Estados Unidos, ou na Europa ou no Japão. Nós identificamos, por exemplo, baixíssima escolaridade dos brasileiros no exterior, porque eles migram muito cedo, muito jovens e muitas vezes antes de concluir um curso. Então, nós temos uma situação em que se paralisa porque eles estão trabalhando ali, de sol a sol, e na maioria das vezes, em trabalhos duros, e não têm tempo de continuar os estudos e aí entramos num círculo vicioso do brasileiro com baixa qualificação que trabalha para criar uma vida melhor para família e não tem tempo de estudar, então continua ali patinando naquele patamar de trabalho de baixa qualificação e, portanto, de baixa renda e ficam numa situação difícil de saída, tanto para continuar no exterior como de retornar ao Brasil. E se retornarem ao Brasil estarão igualmente sem mal qualificados e terão uma inserção modesta no nosso mercado de trabalho e vão pensar novamente em emigrar porque o trabalho de baixa qualificação tem um retorno muito melhor lá fora.”

Luiza Lopes da Silva dá um exemplo de ação unilateral:

“Esse ano conseguimos expandir. Vamos fazer provas para brasileiros no Japão, Estados Unidos, Portugal, Bélgica e Guiana Francesa. Em cada um desses países, nós estamos não só fazendo o exame, mas o curso de preparação. Nós estamos montando curso, nós estamos assumindo o ônus financeiro, de recursos humanos. O nosso embaixador em Lisboa dá aulas de Português para os brasileiros.”

Música: Clandestino (Mano Chao)

Além dessas ações unilaterais e de acordos bilaterais, principalmente na área de concessão de vistos – o brasileiro, por exemplo, não precisa de visto para entrar em países da União Europeia -, o governo brasileiro percebeu a necessidade de uma maior proteção previdenciária dos brasileiros que exercem trabalho no exterior e pretendem voltar ao País.

De acordo com o Secretário de Políticas do Ministério da Previdência Social, Benedito Brunca, esses acordos bilaterais buscam proporcionar a totalização dos períodos de contribuição no Brasil e nos países acordantes para concessão de benefícios, como aposentadoria por invalidez, por idade e pensão por morte.
Países como Alemanha, Portugal, Japão, Itália já fazem parte desse acordo. Estados Unidos e Israel apenas aguardam a assinatura do acordo para que possam tramitar nas respectivas casas legislativas, como informa Benedito Brunca.

“A previsão de cobertura tem sido aplicada a todas as pessoas que estejam e tenham estado em qualquer um dos períodos de trabalho efetivo formal, e aí entram os limites do acordo. Nós temos possibilidade somente da cobertura dos períodos regulares e de presença formal, documentada dentro dos países trabalhados. A situação de não documentação e de não formalização da sua presença em outro país continua ainda como um tema que não é possível ganhar cobertura no âmbito dos acordos que estamos em vigência. Não só do trabalhador e de seus dependentes.”

Música: Reggae do Manero (Raimundos)

Outra iniciativa do Ministério das Relações Exteriores é a Casa do Trabalhador Brasileiro no Japão, para auxiliar o trabalhador brasileiro a superar os desafios de sua inserção no mercado de trabalho naquele país. A iniciativa atende a trabalhadores brasileiros no Japão para orientá-lo também sobre seus direitos e deveres trabalhistas.

Confira, no próximo capítulo: os migrantes brasileiros estão voltando ou estão indo para outros países?

Reportagens: Luiz Gustavo Xavier Edição: Mauro Ceccherini

A abordagem em profundidade de temas relacionados ao dia a dia da sociedade e do Congresso Nacional.

De segunda a sexta, às 3h, 7h40 - dentro do programa Painel Eletrônico - e 23h

facebook twitter spotify podcasts apple rss

Todas as Edições