Rádio Câmara

Samba da Minha Terra

O sambalanço de Branca di Neve

O sambalanço de Branca di Neve

16/06/2024 - 12h00

  • O sambalanço de Branca di Neve - versão em bloco único

  • O sambalanço de Branca di Neve - Bloco 1

  • O sambalanço de Branca di Neve - Bloco 2

Samba da Minha Terra volta a se embalar no sambalanço de Nelson Fernando de Moraes, o Branca di Neve. Ele viveu apenas 38 anos mas ainda mantém influência nos jovens adeptos do samba-rock. O cantor, compositor e percussionista paulistano era fã de Jorge Ben Jor, fez parte do conjunto Os Originais do Samba e tocou com Baden Powell, Toquinho e Nara Leão. O cara tinha um suingue que sacudiu muita gente. O quadro “poesia do samba” resgata a reverência sambalançada de Branca di Neve ao bispo sul-africano Desmond Tutu, prêmio nobel da paz pela luta contra a segregação racial do “apartheid”.

MÚSICAS

Nego Dito (Itamar Assumpção), com Branca di Neve
Salve a raça negra (Mauro Diniz e Adilson Victor), com Branca di Neve
Saudades da minha preta (Branca di Neve e Antônio Lula), com Branca di Neve
Canaviá (Marku Ribas), com Branca di Neve
Oi (Luiz Wagner Guitarreiro), com Branca di Neve
Luiz Wagner Guitarreiro (Jorge Ben Jor), idem
Mas que nada (Jorge Ben Jor), idem
Salgueiro é uma raiz (Branca di Neve e Luiz Carlos Xuxu), com Branca di Neve
Garra corinthiana (Branca di Neve e Luiz Carlos Xuxu), com Branca di Neve
Kid Brilhantina (Bedeu e Alexandre), com Branca di Neve
Boca louca (Zelão), com Branca di Neve
Fico louco (Itamar Assumpção), com Branca di Neve
A cor de Deus (Branca di Neve, Luiz Carlos e Mazinho Xerife), com Branca di Neve
Reprise (Mário Marcos e Antônio Luiz), com Branca di Neve
Pensamento verde (Jota Velloso), com Branca di Neve
Quer moleza (Jorge Ben Jor), com Branca di Neve

TRECHOS
Falador passa mal (Jorge Ben Jor), com Os Originais do Samba
Tudo posso (?), com Thiago Brankinha
Tributo a Branca di Neve (vários), com Os Opalas

Sonoplastia - Indalécio Wanderley
Apresentação e pesquisa - José Carlos Oliveira

Acompanhe a riqueza poética e melódica do ritmo mais popular do Brasil. Quadros especiais destacam as letras mais requintadas, inovadoras ou significativas, as entrevistas históricas e os espaços dedicados ao samba em todo o país.

Domingo, às 12h, e quinta, à 0h