Direito e Justiça

Proposta tipifica atentado a repartição pública

Crime será hediondo se resultar em morte; nesse caso a pena deve ser inicialmente cumprida em regime fechado

15/06/2021 - 08:44  

Reprodução/TV Câmara
Fachada de delegacia. Prédio verde com branco e letreiro em cima
Proposta pune quem atacar delegacias, por exemplo

O Projeto de Lei 1263/21 tipifica como crime específico o atentado contra repartição pública e o qualifica como crime hediondo, se resultar na morte de alguém. A proposta, do deputado licenciado Carlos Bezerra (MT), tramita na Câmara dos Deputados.

Pelo texto, quem cometer atentado contra repartição pública será punido com reclusão de quatro a seis anos. Se do atentado resultar morte, a pena será aumentada para reclusão de 12 a 30 anos.

Com a proposição, Carlos Bezerra pretende “apenar adequadamente” principalmente ataques a tribunais, promotorias de justiça, delegacias de polícia, presídios, penitenciárias, casas de detenção e outras instituições onde tramitam processos judiciais ou onde estejam os réus desses processos.

“Não raro, cadeias e presídios são metralhados e sofrem atentados com toda a sorte de explosivos. Facínoras na guerra do tráfico escapam de modo espetacular de prisões consideradas de segurança máxima e atentam contra a segurança da sociedade. De quase todos esses atos resultam homicídios de pessoas inocentes, muitas das quais crianças, confiadas na proteção constitucional que o Estado tem o dever de garantir”, afirma Bezerra.

A proposta inclui as medidas no Código Penal e na Lei de Crimes Hediondos. Os crimes hediondos são inafiançáveis e insuscetíveis de anistia, graça e indulto. A pena para eles deve ser inicialmente cumprida em regime fechado.

Tramitação
O projeto será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, antes de ser votado pelo Plenário.

Reportagem - Noéli Nobre
Edição - Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Sua opinião sobre: PL 1263/2021

Íntegra da proposta