Enquete da PEC 517/2010

Resultado

Resultado final desde 03/05/2018

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 15 60%
Concordo na maior parte 2 8%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 1 4%
Discordo totalmente 7 28%

O que foi dito

Pontos mais populares

Concordo pois a medida irá gerar lucro para o Brasil sem onerar o estado, o CNEN fará a regulamentação e o controle garantindo a segurança das atividades com radioisótopos.

Alberto Castro 30/04/2020
1

Para a quebra do monopólio praticado há mais de 50 anos , ajustes temporários no mercado precisam ou devem ser elaborados , 70% dos atendimentos em medicina nuclear são realizados pela saúde pública onde sua tabela de ressarcimento (tabela SUS) está estagnada em 2009 com valores baseados em radioisótopos subsidiados ,desonerados de carga tributária . Não é só quebrar o monopólio e sim fazê-los de forma elaborada

Beatriz 28/09/2021
1

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 10 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: As empresas poderá ser produtoras dos produtos mas o governo precisa regulentar a produção a distribuição e os preços para que não haja seletividade na sua utilização.

    Waldemar Peruchi 06/04/2022
    0
  • Ponto positivo: No final de 2021, o governo federal empurrou a PEC, que estava parada há anos, sem discussão com a sociedade. Chamaram somente médicos da iniciativa privada, que são a maioria e que poderão repassar o aumento de preços para pacientes ricos. O SUS sofrerá ainda mais e continuará sem oferecer procedimentos à população carente. O Ministério da Saúde ignorou os argumentos para a "monopólio natural " aquele que a concentração de recursos facilita o acesso ao produto e/ou serviço.

    SILVIA MARIA VELASQUES DE OLIVEIRA 05/04/2022
    0
  • Ponto negativo: Na Argentina, a produção é monopólio estatal e são utilizados 2,5 vezes mais radiofármacos do que no Brasil. A PEC beneficiará clinicas privadas, em prejuízo da maior parte da população brasileira, que depende do SUS. As empresas têm interesse comercial em apenas 4 dos 24 produtos distribuídos pelo IPEN, na área da medicina nuclear. Estes 4 serão comercializados por valores bem acima dos praticados hoje pelo IPEN e os demais, provavelmente, não serão comercializados.

    Patricia Morais Mattar 30/03/2022
    0
  • Ponto negativo: Não faz sentido a proposta! O aumento pelo setor privado irá cada vez mais elitizar o acesso aos tratamentos. Nem todas as soluções são a privatização e sim o investimento nos setores públicos e na pesquisa no país!

    BRUNA SELING MILLA DE OLIVEIRA 16/12/2021
    1
  • Ponto negativo: Demora do congresso para se votar qualquer materia, inclusive as que com certeza venham a beneficiar a população brasileira. Matérias que venham a beneficia-los,os parlamentares, ai sim, sai rápido !!!!!!. Vamos aprender a votar!!!!

    José Aécio de Araújo Santana 10/12/2021
    1
  • Ponto positivo: Claro, Srs Deputados,tudo que esta totalmente na mao do governo, anda devagar e prejudica os pacientes e toda a classe medica/cientifica que dependem de radioisótopos.

    José Aécio de Araújo Santana 10/12/2021
    0
  • Ponto positivo: Pelo q entendi vai ajudar o país na área citada pelo relator então é favorável o projeto Brasil rumo ao avanço na modernização. ?????

    Carlos Arruda 21/10/2021
    0
  • Ponto negativo: Para a quebra do monopólio praticado há mais de 50 anos , ajustes temporários no mercado precisam ou devem ser elaborados , 70% dos atendimentos em medicina nuclear são realizados pela saúde pública onde sua tabela de ressarcimento (tabela SUS) está estagnada em 2009 com valores baseados em radioisótopos subsidiados ,desonerados de carga tributária . Não é só quebrar o monopólio e sim fazê-los de forma elaborada

    Beatriz 28/09/2021
    1
  • Ponto positivo: Trará maior acesso a população para os procedimentos de medicina nuclear , hoje com utilização tão aquém dos demais países do mundo . A medicina nuclear é um importante meio de diagnósticos e tratamento de doenças coronarianas e oncológicas , com seu principal insumo o tecnécio 99 usados nas cintilografias em monopólio do estado .

    Beatriz 28/09/2021
    1
  • Ponto positivo: Concordo pois a medida irá gerar lucro para o Brasil sem onerar o estado, o CNEN fará a regulamentação e o controle garantindo a segurança das atividades com radioisótopos.

    Alberto Castro 30/04/2020
    1

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 2717/2019

    O Projeto de Lei 2717/19 define a saúde estética como área de atuação de biólogos, biomédicos, enfermeiros, farmacêuticos, fonoaudiólogos e fisioterapeutas. Conforme o texto, o profissional deve ter título de especialidade regulamentado pelo respectivo conselho de fiscalização. A proposta está em tramitação na Câmara dos Deputados. Segundo o autor, deputado Fred Costa (Patriota-MG), há insegurança jurídica nesse segmento. “A ideia é permitir que esses profissionais exerçam seus conhecimentos em saúde estética, desde que dentro dos limites da área de atuação, da formação profissional e das diretrizes curriculares”, afirmou. Tramitação A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

  2. PLP 235/2019

    O Projeto de Lei Complementar (PLP) 235/19, já aprovado pelo Senado, cria o Sistema Nacional de Educação (SNE), com o objetivo de alinhar, harmonizar e articular políticas, programas e ações da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios na área educacional. A proposta está agora em análise na Câmara dos Deputados. Pelo texto, a ideia é universalizar o acesso à educação básica e garantir padrão de qualidade; erradicar o analfabetismo; assegurar as oportunidades educacionais; articular níveis, etapas e modalidades de ensino; cumprir planos de educação nos entes federativos; e valorizar os profissionais da educação, entre outras ações. Como princípios e diretrizes do SNE, são mencionadas a igualdade de condições para acesso e permanência na escola, na alocação de recursos e na definição de iniciativas; a articulação entre escola, trabalho e prática social; e ações inclusivas para alunos e populações de comunidades tradicionais, indígenas e quilombolas. Entre os objetivos, estão universalizar o acesso à educação básica, erradicar o analfabetismo e fortalecer os mecanismos redistributivos, todos com qualidade. Fazem parte desses dispositivos a assistência técnica, pedagógica e financeira; a infraestrutura física, tecnológica e de pessoal; e a participação democrática nos processos. Estados, Distrito Federal e municípios terão até dois anos para aprovar legislação específica para criação dos respectivos sistemas estaduais, distrital e municipais de educação. O Ministério da Educação deverá prestar assistência a todos. “O Sistema Nacional de Educação poderá representar um estímulo ao princípio da colaboração entre governos na adoção de políticas educacionais”, afirmou o autor da proposta, senador Flávio Arns (Podemos-PR), ao defender as mudanças. Tramitação O projeto tramitará em conjunto com iniciativa da Câmara (PLP 25/19) e será analisado pelas comissões de Educação; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois seguirá para o Plenário.     Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei complementar

  3. PL 85/2024

    Dispõe sobre fornecimento gratuito da caneta de adrenalina auto injetável pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

  4. REQ 201/2023 CE

    Requer a realização de Audiência Pública no âmbito da Comissão de Educação para discutir o Projeto de Lei nº. 2304/2019.

  5. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  6. PL 4476/2023

    Estabelece a definição de moedas sociais, bem como regula a sua emissão e transação através da tecnologia de registro distribuído.