Enquete do PLP 147/2019

Resultado

Resultado final desde 13/12/2019

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 63 84%
Concordo na maior parte 1 1%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 1 1%
Discordo totalmente 11 14%

O que foi dito

Pontos mais populares

Irá possibilitar que tais profissionais continuem trabalhando formalizados, diminuindo o desemprego e possibilitando que os mesmos possam empreender. Evitará a informalidade.

Patrícia Almeida 22/01/2020
16

MEI CAMINHONEIRO !!! É O MESMO DE GANHAR UM TERRENO NO CÉU, SO MORRENDO PARA USAR !!! Assista o vídeo e entenda o tiro no pé dessa MEI CAMINHONEIRO !! Meu caminhão faz 2 km por litro, o litro custa 5,50.gasto 2,75 por km ando 10.000 km por mês, custo de diesel 27.500, a mei só permite 20.966,67 Não vai atender A MAIORIA dos caminhoneiros Uma piada !!

Paulo Fernandes de Souza 19/11/2021
0

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 6 de 6 encontrados.

Baixar
  • Ponto negativo: MEI CAMINHONEIRO !!! É O MESMO DE GANHAR UM TERRENO NO CÉU, SO MORRENDO PARA USAR !!! Assista o vídeo e entenda o tiro no pé dessa MEI CAMINHONEIRO !! Meu caminhão faz 2 km por litro, o litro custa 5,50.gasto 2,75 por km ando 10.000 km por mês, custo de diesel 27.500, a mei só permite 20.966,67 Não vai atender A MAIORIA dos caminhoneiros Uma piada !!

    Paulo Fernandes de Souza 19/11/2021
    0
  • Ponto positivo: Irá contribuir para manter os profissionais na formalidade

    Nathalia Eloiza Lenhard Pagliocchi 07/09/2021
    0
  • Ponto positivo: Possibilita a abertura de empreendimento com baixo custo, gerando mais emprego. O profissional sai da informalidade, tendo seus direitos previdenciários.

    Alexandre Prado Pereira 04/03/2020
    4
  • Ponto positivo: Ajudará nos profissionais a se manter na formalidade como mei

    Cristiano machado Vilela 25/01/2020
    4
  • Ponto positivo: Sou empreendedor e está muito difícil continuar gerando emprego, devido aos altos custos de cada profissional contratado. Com a possibilidade de contratar MEI’s todos receberão uma fatia maior em cima do produto vendido ou do serviço prestado.

    Bruno F. Araujo 25/01/2020
    3
  • Ponto positivo: Irá possibilitar que tais profissionais continuem trabalhando formalizados, diminuindo o desemprego e possibilitando que os mesmos possam empreender. Evitará a informalidade.

    Patrícia Almeida 22/01/2020
    16

Enquetes populares nesta semana

  1. PL 2650/2024

    Altera a Lei nº 10.855, de 1º de abril de 2004, que dispõe sobre a reestruturação da Carreira Previdenciária, de que trata a Lei nº 10.355, de 26 de dezembro de 2001, instituindo a Carreira do Seguro Social, e dá outras providências, para dispor sobre a alteração do requisito de entrada para o cargo de Técnico do Seguro Social e reconhecer as atribuições da carreira do Seguro Social como exclusivas e essenciais ao Estado.

  2. INC 1068/2024

    Requer o envio de Indicação ao Excelentíssimo Ministro da Defesa, senhor José Mucio Monteiro Filho, em que propõe análise acerca da situação de militares do Quadro Especial do Exército, em busca de correções normativas para corrigir disparidades.

  3. INC 773/2024

    Sugere ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Defesa, Sr. JOSÉ MUCIO MONTEIRO FILHO, a elaboração de projeto de lei que cria o Quadro Especial de Graduados da Marinha.

  4. PL 1904/2024

    O Projeto de Lei 1904/24 equipara o aborto realizado após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, inclusive no casos de gravidez resultante de estupro. Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta altera o Código Penal, que hoje não pune o aborto em caso de estupro e não prevê restrição de tempo para o procedimento nesse caso. O código também não pune o aborto quando não há outro meio de salvar a vida da gestante.  Com exceção desses casos em que não há punição, o código prevê detenção de um a três anos para a mulher que aborta; reclusão de um a quatro anos para o médico ou outra pessoa que provoque aborto com o consentimento da gestante; e reclusão de três a 10 anos para quem provoque aborto sem o consentimento da gestante.  Caso o projeto seja aprovado pelos parlamentares, o aborto realizado após 22 semanas de gestação será punido com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos e também no caso de gravidez resultante de estupro. A pena é a  mesma prevista para o homicídio simples.  Justificativa O texto foi apresentado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e outros deputados. Segundo os parlamentares, quando o Código Penal foi promulgado, “se o legislador não colocou limites gestacionais ao aborto, não foi porque teria querido estender a prática até o nono mês da gestação”.  “Em 1940, quando foi promulgado o Código Penal, um aborto de último trimestre era uma realidade impensável e, se fosse possível, ninguém o chamaria de aborto, mas de homicídio ou infanticídio”, apontaram os autores da proposta. O projeto foi apresentado no mesmo dia em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a suspensão da resolução aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para proibir a realização da chamada assistolia fetal para interrupção de gravidez após 22 semanas de gestação. A técnica utiliza medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto, antes de sua retirada do útero. Circunstâncias individuais De acordo com o projeto de lei, o juiz poderá mitigar a pena, conforme o exigirem as circunstâncias individuais de cada caso, ou poderá até mesmo deixar de aplicá-la, se as consequências da infração atingirem o próprio agente de forma tão grave que a sanção penal se torne desnecessária. Tramitação A proposta ainda não foi distribuída às comissões da Câmara, mas poderá ser votada diretamente pelo Plenário caso requerimento de urgência do deputado Eli Borges (PL-TO) e outros seja aprovado.  Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  5. PL 2957/2024

    Declara a desapropriação por utilidade pública da empresa Avibras Indústria Aeroespacial S/A, nos termos que especifica.

  6. PDL 322/2024

    Suspende a aplicação da Resolução nº 249, de 10 de julho de 2024, do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA), que proíbe o acolhimento de adolescentes com dependência do álcool e outras drogas em comunidades terapêuticas.