Enquete do PL 7920/2017

Resultado

Resultado parcial desde 05/04/2018

Opção Participações Percentual
Concordo totalmente 2 18%
Concordo na maior parte 0 0%
Estou indeciso 0 0%
Discordo na maior parte 2 18%
Discordo totalmente 7 64%

Resultado na metodologia anterior Sobre Resultado na metodologia anterior?

Resultado parcial desde 05/04/2018

Representação dos dados do gráfico em forma de tabela
Opção Participações Percentual
Concordo 8 4
Discordo 210 96

O que foi dito

Pontos mais populares

Desacúmulo de massa documental pública.

suzannesantos@id.uff.br 06/12/2018
1

Não é correto eliminar documentos originais por serem de suporte papel.

suzannesantos@id.uff.br 06/12/2018
1

Todos os pontos levantados pelos usuários

Exibindo resultados 1 a 10 de 10 encontrados.

Baixar
  • Ponto positivo: Massa documental acumulada no meio digital. Falta de rastreabilidade, auditabilidade e integridade do documento. É bom pra quem tem algo a esconder.

    Dalton Carmo 09/08/2021
    0
  • Ponto negativo: Vergonha de proposta. Porque não alterar a proposta para tornar lei a gestão de documentos , garantindo eficiência para os processos do serviço público, independentemente se o documento está no suporte em papel ou mesmo no meio digital. Sairá muito mais barato do que investir e contratar as empresas de guarda que ganham dinheiro fácil com a digitalização selvagem dos documentos.

    Dalton Carmo 09/08/2021
    0
  • Ponto positivo: O Brasil precisa se modernizar. Nesse tempo de pandemia, vemos como a falta de informações digitais, a falta de habilidade do poder público e lidar com a informática trava a rapidez necessária para solução de problemas. Papel é coisa do passado. Desapeguem disso. Um documento digitalizado, assinado via certificado digital, deve ter o mesmo valor de um documento original em papel. Quem assina que deve ter a responsabilidade de validar.

    Eduardo Mendes 13/05/2020
    0
  • Ponto negativo: A proposta de lei tenta equiparar representantes digitais a documentos originais e isso tecnicamente é impossível. A cópia nunca será igual ao original. Os documentos digitalizados não são iguais aos documentos nato-digitais. A norma desconsidera a realidade brasileira e a impossibilidade atual de se fazer a gestão e preservação dos documentos dos documentos digitais a longo prazo. Então as perdas podem ser irreparáveis.

    Sônia Rodrigues de Carvalho Estevão 27/03/2020
    1
  • Ponto negativo: A legalização vai interferir na garantia de autenticidade dos documentos. Digitalização está ultrapassada. O novo é o NATO DIGITAL. O uso do certificado ICP brasil para assinar as imagens digitalizadas não tem valor no nosso ordenamento jurídico.

    Jovenilda Freitas dos Santos 17/01/2020
    1
  • Ponto positivo: A digitalização promove o acesso e a difusão do documento

    Jovenilda Freitas dos Santos 17/01/2020
    0
  • Ponto positivo: Certos documentos recebidos pela administração pública em papel não tem valor histórico, aliás é a condição da maior parte do papel recebido. Cópias de documentos declarações requerimentos e etc. deveriam ser eliminados imediatamente após a digitalização.

    Wilson de Souza Pereira 19/06/2019
    0
  • Ponto negativo: Poe em risco a memória do país e transparência pública

    Iris Rodrigues 03/06/2019
    1
  • Ponto negativo: Não é correto eliminar documentos originais por serem de suporte papel.

    suzannesantos@id.uff.br 06/12/2018
    1
  • Ponto positivo: Desacúmulo de massa documental pública.

    suzannesantos@id.uff.br 06/12/2018
    1
vote nesta enquete

Enquetes populares nesta semana

  1. PEC 14/2021

    Altera o art. 198 da Constituição Federal para estabelecer o Sistema de Proteção Social e Valorização dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, a aposentadoria especial e exclusiva, e fixar a responsabilidade do gestor local do SUS pela regularidade do vínculo empregatício desses profissionais.

  2. PL 85/2024

    Dispõe sobre fornecimento gratuito da caneta de adrenalina auto injetável pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

  3. PL 2283/2021

    O Projeto de Lei 2283/21 estabelece procedimentos para avaliação de imóveis destinados a órgãos e entidades da administração pública federal no âmbito dos três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e do Ministério Público, inclusive de empresas estatais ou sociedades de economia mista. Conforme o texto em análise na Câmara dos Deputados, as avaliações de bens imóveis serão resultado de análise técnica para identificar valores, custos ou indicadores de viabilidade econômica para determinados objetivos, finalidades e datas. O laudo deverá ser subscrito por engenheiro, arquiteto ou agrônomo. Os procedimentos para a realização do laudo de avaliação de imóveis serão: - análise da documentação disponível; - vistoria obrigatória, salvo exceções justificadas por escrito; - coleta e tratamento de dados; - diagnóstico de mercado; - escolha da metodologia; e - apresentação de resultado da avaliação. “Atualmente, não há nenhuma lei que regule os procedimentos para a avaliação desses imóveis”, afirmou o autor da proposta, deputado Fausto Pinato (PP-SP). “A vistoria é fundamental na apuração do correto valor, já que poderá constatar problemas estruturais e de acabamento ou mesmo irregularidades evidentes.” Tramitação O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

  4. REQ 201/2023 CE

    Requer a realização de Audiência Pública no âmbito da Comissão de Educação para discutir o Projeto de Lei nº. 2304/2019.

  5. PDL 6/2024

    Susta os efeitosdo inciso I do art. 38 do Decreto nº 11.615, de 21 de julho de 2023, que regulamenta a Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003,para excluir exigência de distanciamento de entidades de tiro desportivo em relação a estabelecimentos de ensino no País.

  6. PL 3949/2023

    Altera a Lei no 7.498, de 25 de junho de 1986, para estabelecer novas regras para a prescrição de medicamentos por enfermeiros autônomos em exercício em consultório ou clínica de enfermagem, bem como penalidades para o descumprimento da norma.