Rádio Câmara

Trilha das Artes

Maitê Proença reflete sobre sombras, muros e disfarces emocionais em "O pior de mim".

Maitê Proença reflete sobre sombras, muros e disfarces emocionais em "O pior de mim".

10/09/2022 - 19h00

  • Maitê Proença em "O pior de mim" (Bloco único)

FOTO: DALTON VALÉRIO

A atriz e dramaturga Maitê Proença volta à cena com um monólogo escrito de próprio punho. A peça - que virou livro - se chama O pior de mim e está circulando pelos palcos brasileiros. Em cena, Maitê revisita momentos marcantes de sua vida. Numa interlocução direta com a plateia, a atriz reflete sobre como sua conturbada história familiar repercutiu na vida profissional, os eventuais bloqueios desenvolvidos e tudo que precisou fazer para se libertar. Ela fala ainda da mulher de 60 anos no Brasil, de machismo, misoginia e dos preconceitos enfrentados. A conversa é embalada pela música de Candeia (Preciso me encontrar), com Cartola; Joan Baez (Forever Young), Carole King (Where you lead) e Violeta Parra (Gracias a la vida), com Mercedes Sosa.

MAIS SOBRE A ARTISTA
Após um ano de trabalho no Centro de Pesquisa Teatral (CPT) do diretor Antunes Filho, em 1979, Maitê Proença estreou como atriz de televisão na novela Dinheiro Vivo. Viveu sua primeira protagonista na novela As Três Marias. Em 1981, foi convidada a participar da telenovela Jogo da Vida e não parou mais. Foi atriz em inúmeras produções para a televisão e o cinema. Em 2003, estreou na revista Época como cronista. Suas crônicas conquistaram o público por seu estilo estilo franco, delicado e inteligente. 50 delas foram publicadas no livro Entre Ossos e a Escrita. Em 2005, escreveu sua primeira peça, Achadas e Perdidas. Desde então, Maitê vem se dedicando ao seu trabalho como dramaturga. Considerada por muitos uma das mais belas atrizes brasileiras, Maitê Proença foi capa de quase todas as revistas em circulação. Nos anos mais recentes, a atriz vem se dedicando ao teatro, tendo montado as peças À beira do abismo me cresceram asas e A Mulher de Bath. E agora, em 2022, estreia a versão presencial da peça O pior de mim e o livro homônimo, coletânea dos registros íntimos que deram origem ao texto da peça.


Produção, Reportagem e Apresentação André Amaro

O programa mistura música, informação e opinião, além de trazer entrevistas com grandes artistas brasileiros.

Sábado, às 19h, e domingo, às 9h