Rádio Câmara

Papo de Futuro

Florianópolis: a ilha dentro do arquipélago da inovação no Brasil

O inverno dá o contorno de um país que não está nos jornais e que estamos prestes a conhecer. Florianópolis é a ilha da fantasia de um futuro que já chegou para poucos, a não ser que houvesse mais investimentos. Ciência e Tecnologia são o carro-chefe deste País ilhado, e eles não dependem da agenda política ordinária, de itens como a reforma trabalhista ou a reforma política.

Aqui, os lemas são inovação, melhoria contínua e integridade, como sinônimo daquilo que é incorruptível.

Estamos prestes a conhecer os centros de pesquisa de Florianópolis, como a empresa Nanovetores, o Sapiens Park e a empresa C-Pack.

Trabalhando com novos conceitos, essas empresas tentam interagir com o setor público e as universidades para desenvolver empreendimentos inovadores, baseados em quatro pilares: energia sustentável, economia criativa, tecnologias da informação e ciências da vida.

O ponto fraco no Brasil é a falta de interação entre universidades e indústria, que nos leva ao desafio de fortalecer um sistema baseado no Novo Marco Legal da Ciência e Tecnologia, sancionado no ano passado, e que ainda passará pela regulamentação.

O Sapiens Park é um cluster para novas empresas voltadas para criação de aplicações inovadoras que atinjam principalmente as pequenas e médias empresas, inovando em processos e rotinas que vão gerar economia e aumentar a competitividade.

Assim como em outros setores, não é de leis, mas de recursos financeiros que a pesquisa precisa, e custa pouco para levar mentes brilhantes para as empresas.

Já a Nanovetores produz cosméticos com nano partículas muito mais fáceis de penetrar na pele. A pouca efetividade das pesquisas brasileiras, as soluções de continuidade, a falta de avaliação e a retenção dos recursos para a pesquisa no orçamento público, especialmente os fundos setoriais do FNDCT, são os maiores inimigos da inovação.

A CNI tenta mostrar o Brasil do futuro para afastar o fantasma da crise, mostrando aos gestores de Brasília que a ilha dentro da ilha, para que vejamos, na prática, que fazer leis é bem diferente de aplicar essas mesmas leis. É uma pesquisa de campo, onde a pergunta é: o que fazer hoje para o Brasil do amanhã?!!!

A pauta é gigantesca: proteção de dados, compartilhamento, propriedade intelectual, lei do bem com mais isenção fiscal, internet das coisas, uso do Fistel para financiar a inovação, simplificar processos e burocracia para aprofundar no desafio da ciência!

A televisão mostrava, em 1954, como tirar gelo da porta da geladeira seria uma invenção fantástica. Hoje, parece logo ali o dia em que vamos receber encomendas da Amazon entregues por drones entrando pela janela da nossa casa, num processo de máquina a máquina totalmente automatizado, tudo fruto da chamada inteligência artificial. Fábricas cheias de esteiras trabalhando de luz apagada. Bem-vindos ao reino dos sistemas informatizados!

Só quem coloca a mão na massa pode ser ponte entre a ilha do conhecimento em Florianópolis e o centro do poder no meio do Brasil, essa ilha da fantasia que chamamos de Brasília.

Mande suas dúvidas, críticas e sugestões para papodefuturo@camara.leg.br

***Poderá haver diferenças entre o texto escrito e a coluna realizada ao vivo no programa "Câmara é Notícia", da Rádio Câmara*** Roteiro e comentários - Beth Veloso Apresentação - Paulo Triollo
  • Florianópolis: a ilha dentro do arquipélago da inovação no Brasil

Coluna semanal sobre as novas tendências e desafios na comunicação no Brasil e no mundo, da telefonia até a internet, e como isso pode mudar a sua vida.