Rádio Câmara

Palavra de Especialista

Compras por motivos emocionais

  • Compras por motivos emocionais (bloco 1)

  • Compras por motivos emocionais (bloco 2)

O que leva uma pessoa a comprar um carro, uma bolsa ou um sapato? Uma necessidade real ou um impulso para compensar momentos de tristeza, angústia ou ansiedade? O Palavra de Especialista desta quarta-feira vai buscar essas respostas com a economista do SPC, Serviço de Proteção ao Crédito, Ana Paula Bastos.

A entidade realizou uma pesquisa sobre o tema e descobriu que as emoções determinam as compras de muitos brasileiros. Segundo o estudo, intitulado “Educação financeira do consumidor brasileiro”, fatores puramente emocionais interferem negativamente nas contas do consumidor: quatro em cada dez entrevistados (43%) admitem fazer compras por impulso em momentos de ansiedade, tristeza ou angústia. Na avaliação do SPC, este tipo de consumo descontrolado revela ser um mecanismo de compensação para suprimir carências que nada têm a ver com o universo material.

Entre os que fazem compras movidas por impulsos emocionais, a ansiedade por um evento que se aproxima (festas, jantares e viagens, por exemplo) é o motivo mais decisivo entre consumidores de classes A e B. Por outro lado, a baixa autoestima é a razão mais citada entre consumidores das classes C e D. O estudo também revela o imediatismo do consumidor brasileiro: quatro em cada dez entrevistados (42%) gastam tudo o que ganham e não conseguem poupar qualquer quantia. Considerando somente consumidores das classes C e D, este percentual é ainda maior, chegando a 53% ante 28% nas classes A e B.

Ao constatar que 85% dos brasileiros compram por impulso e 74% admitem não ter qualquer investimento, a pesquisa conclui que o brasileiro não sabe lidar com o próprio dinheiro.

Apresentação Inimá Simões

Semanalmente, um repórter conversa com um especialista sobre os mais variados temas.