Rádio Câmara

Reportagem Especial

Especial Caos Urbano 1 - Um panorama dos problemas de transporte nos grandes centros ( 05' 55'' )

  • Especial Caos Urbano 1 - Um panorama dos problemas de transporte nos grandes centros ( 05' 55'' )

NA PRIMEIRA REPORTAGEM DESTA SEMANA, UM RETRATO DO TRÂNSITO NAS GRANDES CIDADES.

Tarde de maio, começa a chover em São Paulo.
A empresária Fabiana Fevorini estava em uma aula na universidade quando os primeiros pingos foram ouvidos.

"No momento que começou a chover, quatro alunos da turma se levantaram no mesmo minuto dizendo que eles precisavam sair porque eles iam para longe, já prevendo uma situação que é absolutamente natural para o paulistano: choveu, o trânsito vai ficar ruim em poucos segundos, o tempo de deslocamento vai aumentar muito, então eu não posso esperar mais nada, o término da aula, cinco minutos que seja"

Fabiana esperou até o final da aula, e o preço disso foi ficar uma hora e meia no trânsito para chegar em casa. Todo esse tempo para percorrer menos de seis quilômetros.

Esse é o cotidiano do paulistano, que vive em uma cidade refém do trânsito. São Paulo é a síntese do caos urbano que já chegou em muitas metrópoles brasileiras: ruas apinhadas nos horários de pico, e a espera resignada ou irritada de quem está no carro ou dentro de um ônibus. Na capital paulista circulam cerca de três milhões e meio de carros, sendo que setecentos mil estão nas ruas nos horários mais movimentados. No mês de abril, com o início das chuvas, vieram congestionamentos recordes, com mais de 160 quilômetros.

A frota brasileira dobrou de 1990 para 2003, de acordo com o Departamento Nacional de Trânsito, o Denatran. Em março deste ano já se contabilizavam mais de 46 milhões de veículos, e deste número, 61% são de carros. A frota brasileira cresce 7% ao ano, e o diretor do Denatran, Alfredo Peres, aponta que as ruas simplesmente não têm capacidade para receber o número crescente de carros, mesmo com a realização de mais obras para escoar o trânsito. Alfredo Peres destaca ainda a poluição e os acidentes de trânsito, problemas que se agravam com aumento de veículos nas ruas.

"Nós estamos com problema sério de trânsito, de transporte nas áreas urbanas. Nós temos problemas sérios de meio ambiente, as cidades estão cada vez mais poluídas porque os veículos cada vez mais antigos, e porque as frotas não se renovam, estão poluindo cada vez mais. Os veículos estão ficando cada vez mais velhos, e conseqüentemente mais inseguros. Então nós temos uma situação terrível a ponto do sistema trânsito ser a principal bandeira da Organização Mundial de Saúde"

Em 2005, trinta e cinco mil e setecentas pessoas morreram em desastres de trânsito nas rodovias e estradas brasileiras. Dados do Ministério da Saúde apontam que os acidentes aumentaram 9% entre os anos de 2002 e 2005.

Para o brasileiro, o carro é um sonho de longa data. O coordenador do escritório da Associação Nacional dos Transportes Públicos em Brasília, Nazareno Affonso, aponta que a cultura do carro se cristalizou com os ares de progresso trazidos nos anos 50, durante o governo de Juscelino Kubistchek. Naquele momento, se acreditava na idéia de que cada brasileiro teria um carro. O automóvel, símbolo de desenvolvimento, iria resolver os problemas de mobilidade no país. Brasília é uma cidade que reflete bem esse pensamento. Ruas largas e compridas, perfeitas para os carros. Mas a cidade cresceu bem mais do que o esperado. Hoje, as ruas largas da capital já enfrentam congestionamentos nos horários de pico. Nazareno Affonso destaca ainda que durante décadas o transporte público foi visto como uma locomoção para os pobres, e não como um meio de transporte. Ele enfatiza que o brasileiro precisa urgentemente acordar do mito de ascensão social prometido pelo carro, pois não haverá espaço nas ruas.

"A cultura que nós transmitimos para o brasileiro é que ele nunca andaria de ônibus. Aqueles que são pobres, que andariam, ele sonha em ter um carro. Aqueles que têm um carro, nem imaginam não tendo carro. Acontece que, com o passar do tempo, não é uma questão do querer ou não, é questão de não haver alternativa. Hoje, nas cidades menores, pequenas, ainda há alternativa pro automóvel. Se a pessoa quiser continuar com o seu carro, vá para uma cidade do interior de São Paulo, ainda tem chance durante alguns anos. Mas daqui uns dez anos, provavelmente nem nas cidades do interior ele vai ter chance disso"

Pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes realizada no ano de 2002 avaliou a eficiência do transporte em 11 cidades brasileiras de grande porte, como Salvador, Goiânia e Porto Alegre. A pesquisa aponta que os carros ocupam quase 60% do espaço das ruas, mas levam apenas 20% das pessoas. Em relação aos ônibus, a situação é inversa: 70% da população depende dos ônibus, mas os veículos ocupam apenas um quarto dos asfaltos.

De Brasília, Daniele Lessa

CHAMADA: NA REPORTAGEM DE AMANHÃ, VAMOS OUVIR A ANÁLISE DE ESPECIALISTAS SOBRE AS CAUSAS DO TRÂNSITO INTENSO NAS GRANDES CIDADES BRASILEIRAS E QUAIS OS CAMINHOS PARA MELHORAR ESSA SITUAÇÃO. VOCÊ PODE OUVIR AS CINCO MATÉRIAS SOBRE O CAOS NO TRÂNSITO DAS CIDADES BRASILEIRAS NA PÁGINA DA RÁDIO CÂMARA NA INTERNET. O ENDEREÇO É WWW.CAMARA.GOV.BR/RADIO.

A abordagem em profundidade de temas relacionados ao dia a dia da sociedade e do Congresso Nacional.

De segunda a sexta, às 3h, 7h40 - dentro do programa Painel Eletrônico - e 23h

facebook twitter spotify podcasts apple rss

Todas as Edições