Rádio Câmara

Reportagem Especial

Especial Câmara dos Deputados - Espaço Cultural - (07' 13")

  • Especial Câmara dos Deputados - Espaço Cultural - (07' 13")

E VOCÊ SABIA QUE A CÂMARA TEM UM ESPAÇO ABERTO PARA QUE PINTORES, ESCULTORES, FOTÓGRAFOS, MÚSICOS E ESCRITORES EXIBAM SUAS ARTES? TRATA-SE DO ESPAÇO CULTURAL DA CÂMARA, QUE TRANSFORMA CORREDORES E SALAS DA CASA EM GALERIAS E PALCOS ABERTOS PARA ARTISTAS FAMOSOS E INICIANTES. SAIBA COMO VISITAR OU EXIBIR SUAS OBRAS AQUI NA CÂMARA, NA REPORTAGEM ESPECIAL DE HOJE.

"Aos que me dão lugar no bonde
e que conheço não sei donde,
aos que me dizem terno adeus
sem que lhes saiba os nomes seus,
aos que me chamam deputado
quando nem mesmo sou jurado,
aos que, de bons, se babam: mestre!
inda se escrevo o que não preste,
aos que vomitam (sic) meus poemas,
no mais simples vendo problemas,
eu agradeço humildemente
gesto assim vário e divergente,
graças ao qual, em dois minutos,
tal como o fumo dos charutos,
já subo aos céus, já volvo ao chão,
pois tudo e nada nada são"

O poema "Obrigado", interpretado aqui pelo seu próprio autor, Carlos Drummond de Andrade, é um belo exemplo de arte, vista como exercício de reflexão sobre costumes, idéias, expectativas e visões de mundo. E este aspecto reflexivo da cultura também está presente no cotidiano da Câmara dos Deputados. Além de uma comissão permanente dedicada ao tema, existe também uma Frente Parlamentar com a missão de articular a elaboração de leis de incentivo à produção cultural do país. Mas não é só isso. A Câmara vem abrindo as portas democraticamente para as mais variadas expressões artísticas por meio do seu Espaço Cultural. Corredores da Casa são transformados em galerias para exposições de pintura, escultura e fotografia, salões tornam-se palcos para apresentações musicais enquanto saraus literários e ciclos de leitura ocupam qualquer área disponível na Casa.

O coordenador do Núcleo de Artes Plásticas, Marco Aurélio Tavares, afirma que a atuação do Espaço Cultural reforça a defesa da arte dentro do Congresso Nacional.

"A gente tem tentado ser a porta de entrada da cultura brasileira aqui dentro do Congresso: mostrar para os nossos representantes o que nós temos de bom e o que precisamos para melhorar a cultura. Temos aqui um grupo parlamentar da cultura, que são pessoas que estão envolvidas, que se preocupam e que sentem a necessidade de ter representantes da cultura aqui dentro da Câmara"

A própria arquitetura da Câmara dos Deputados já é uma obra de arte em si, assinada por Oscar Niemeyer. Espalhados pela Casa, também estão pinturas de Athos Bulcão, esculturas de Alfredo Ceschiatti, vitrais de Marianne Peretti e o paisagismo de Burle Marx. Porém, a intenção do Espaço Cultural é dar oportunidade principalmente para os novos talentos da arte, da forma mais democrática possível, como explica Marco Aurélio.

"Antes, na Câmara, o acesso era só através de parlamentares. O Espaço Cultural, vendo a necessidade de atender a toda a população, já que nós representamos o país - esta Casa é do povo -, fomos buscar uma possibilidade de fazer com que aquela pessoa que está lá no interiorzinho, mas que desenvolve algum trabalho de arte pudesse ter a oportunidade de estar dentro da Câmara expondo suas obras"

Pintores, escultores, fotógrafos e músicos de qualquer parte do país podem exibir sua arte na Câmara. Basta preencher um formulário disponível na internet e dar os detalhes das obras. O Espaço Cultural é concorrido. Em média, recebe 200 propostas de exposição por ano. O coordenador do Núcleo de Artes Plásticas acredita que o interesse crescente dos artistas em expor na Câmara se deve ao grande público que circula pela Casa diariamente, proporcionando assim uma imensa visibilidade para a obra artística.

"O público é impressionante. Aqui passam diariamente mais de 10 mil pessoas. Galeria nenhuma tem um público desse, sabe? Então, assim, para quem realmente quer mostrar o seu trabalho, a Câmara tem sido um excelente espaço"

Marco Aurélio Tavares explica que os critérios de seleção do edital são bem simples. Busca-se unidade no conteúdo e na linguagem artística. No caso de pintura, fotografia e escultura, os corredores da Câmara são personalizados para receber as obras. Ao mesmo tempo, o artista recebe todo o suporte técnico e as orientações necessárias.

"Quando a gente identifica que o artista tem qualidade de conceito - às vezes, nem é qualidade de técnica -, aí a gente busca ajudar. O grupo que analisa tem sido muito sensível a isso. O nosso interesse é realmente mostrar a cara do Brasil e trazer essas pessoas aqui pra dentro porque aqui é o ponto de encontro do país"

Uma das experiências mais bem sucedidas desse critério democrático de seleção ocorreu com o retirante nordestino Hosana Bezerra. Ele saiu de Recife há 19 anos e, desde então, tenta ganhar a vida em Brasília. Já foi caseiro e servente de pedreiro.

Atualmente, é lavador de carros num dos estacionamentos da cidade. Nas horas vagas, sempre fazia alguns desenhos e, recentemente, decidiu pintar alguns deles em telas. Em 2003, as pinturas de Hosana foram selecionadas para uma exposição individual no Espaço Cultural da Câmara. Inteiramente autodidata, o artista conta que, na época, nem sabia ao certo qual era o seu estilo. Só lhe interessavam a influência da simetria de Brasília e a admiração por Athos Bulcão.

"Eu não sabia o que eu pintava. Aí, uma pessoa lá do Espaço Cultural falou: ´ó, o seu estilo é geométrico, entendeu?´ E daí ficou: geométrico. E a gente sempre intitula as exposições como ´Geometria das Cores´. Eu comecei a pintar e, de repente, eu estava no meio de cúpulas e colunas. A própria simetria de Brasília foi influenciando o meu trabalho. Agora, eu tenho uma grande admiração e francamente tiro o chapéu e falo com grande emoção do Athos Bulcão. E se eu tivesse a oportunidade de, um dia, conhecê-lo pessoalmente, eu ficaria muito grato"

Esta primeira exposição na Câmara abriu as portas para a carreira artística de Hosana Bezerra. Desde 2003, ele já exibiu suas pinturas geométricas várias vezes em Brasília.

A descoberta de novos talentos, como o pintor Hosana Bezerra, também ocorre no Núcleo de Literatura do Espaço Cultural, aberto para o público em geral. Ao longo da semana, a Câmara dos Deputados abre espaço para ciclos de leitura e oficinas literárias. O mais recente sarau, no início de maio, foi dedicado ao Rio Grande do Sul, com apresentações de textos de Érico e Luiz Fernando Veríssimo, Mário Quintana e Caio Fernando Abreu. Já a parceria do Núcleo Musical com o Sesc permitiu que a Câmara dos Deputados fosse o palco de lançamento do CD "Tributo ao Povo Brasileiro", reunindo os vencedores do Prêmio Sesc de Música deste ano.

O edital nacional que permite a seleção de obras a serem expostas na Câmara é publicado geralmente em agosto e o prazo de inscrição vai até o fim de outubro. O formulário e as regras para exposição estão no site da Câmara www.camara.gov.br . Quem não tiver acesso à Internet pode ligar ou escrever para o Espaço Cultural da Câmara. O telefone é o 3216-0000, DDD 61.

De Brasília José Carlos Oliveira

E AMANHÃ, NA ÚLTIMA REPORTAGEM ESPECIAL, VOCÊ VAI CONHECER O PAPEL ESTRATÉGICO DA CONSULTORIA LEGISLATIVA DA CÃMARA PARA A ELABORAÇÃO DE LEIS E DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO PAÍS.

A abordagem em profundidade de temas relacionados ao dia a dia da sociedade e do Congresso Nacional.

De segunda a sexta, às 3h, 7h40 - dentro do programa Painel Eletrônico - e 23h

facebook twitter spotify podcasts apple rss

Todas as Edições