Rádio Câmara

Reportagem Especial

Especial Tecnologia Social - Propostas simples que resolvem grandes problemas (04' 45")

  • Especial Tecnologia Social - Propostas simples que resolvem grandes problemas (04' 45")

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM TECNOLOGIA SOCIAL? CERTAMENTE, VOCÊ JÁ TEVE CONTATO COM ALGUMA TECNOLOGIA SOCIAL, MESMO SEM RECONHECÊ-LA POR ESTE NOME. AS TECNOLOGIAS SOCIAIS SÃO GERALMENTE PROPOSTAS SIMPLES QUE RESOLVEM GRANDES PROBLEMAS SOCIAIS. QUER UM EXEMPLO TÍPICO? O SORO CASEIRO: UMA MERA MISTURA DE ÁGUA, AÇÚCAR E SAL QUE COMBATE A DESIDRATAÇÃO E REDUZ A MORTALIDADE INFANTIL.
NA REPORTAGEM ESPECIAL DESTA SEMANA, VOCÊ VAI CONHECER OUTROS EXEMPLOS EM CINCO ÁREAS: SAÚDE, ATENDIMENTO A PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS, EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E COMUNICAÇÃO, TODOS FINALISTAS DO PRÊMIO 2005 DA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL DE TECNOLOGIA SOCIAL. NO PRIMEIRO PROGRAMA, CONHEÇA SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA SOCIAL PARA A ÁREA DA SAÚDE.

Uma grande dificuldade para a população de baixa renda no acesso a serviços de saúde é a compra de remédios a baixo custo. Mas os moradores de Umuarama, no Paraná, não têm do que se queixar depois da criação da Farmácia da Partilha. Ela nasceu de uma idéia muito simples: dar um bom uso aos remédios que a maioria das pessoas tem em casa, não utiliza e só espera o prazo de validade expirar para jogar no lixo. Em 96, o padre de uma igreja católica da cidade resolveu organizar um centro de doação de medicamentos. Em pouco tempo, numa parceria com a Universidade Paranaense - UNIPAR, nasceu a Farmácia. Agora, ela é a farmácia-escola do curso de Farmácia, que recebe medicamentos da população em geral e de pessoas punidas com penas alternativas da Justiça. O coordenador, professor Emerson Luiz Botelho, diz que ela é autorizada pelo Conselho de Farmácia para funcionar de forma comunitária. São distribuídos, por dia, cerca de 400 comprimidos, e só no ano de 2004, quase 16 mil pessoas foram atendidas. O professor explica que somente a população de comprovada baixa renda pode ter acesso aos medicamentos da farmácia. E só com a apresentação de receita médica.

"E nós então cadastramos esses pacientes, através da conta de telefone, RG e CPF, e só dispensamos os medicamentos mediante receitas do SUS. Por exemplo de clínica particular, se ele for receber o medicamento, nós não atendemos. Só se forem receitas do Sistema ùnico de saúde"

Seu Iraí Cesário tem 79 anos e, há mais de 3 anos, é cliente assíduo da Farmácia da Partilha. Ele, que é um ferrenho defensor do projeto, atesta que sem a farmácia, seria difícil obter os 60 comprimidos mensais recomendados pelo médico.

"Eu acho muito bom, faz uma economia muito boa para a gente, é difícil faltar o remédio, a gente é muito bem atendido"

Também na área da saúde, mas atendendo a uma clientela totalmente diferente, encontra-se um projeto do Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná. O FootscanAge nasceu para resolver um problema envolvendo mães de bebês prematuros que não fizeram pré-natal corretamente. Sem o pré-natal, fica difícil definir com certeza a idade gestacional da criança. Essa informação é fundamental para determinar o tratamento e os cuidados a serem realizados com o bebê. Para definir essa idade gestacional, os pesquisadores da Universidade Federal do Paraná criaram o FootScanAge. A imagem da planta do pezinho do bebê, que é tirada assim que ele nasce, é digitalizada. O FootScanAge faz uma leitura completa dos dados, de onde são tiradas informações capazes de definir a idade gestacional do bebê. Olga Regina Pereira Bellon é uma das idealizadoras do projeto, na área de informática, e explica as vantagens desse tipo de método.

"Até hoje não existia nenhum método que não fosse invasivo. Os métodos tradicionais você tem que ficar manipulando o bebê. Então se você imaginar um bebê recém-nascido, com baixo peso, um bebê muito frágil, muitas vezes não é possível fazer esse teste para determinar a idade gestacional, porque você tem que ficar mexendo com o bebê, fazendo testes neurológicos nele. Com esse método, você simplesmente pega a impressão plantar, e você não precisa mais mexer no bebê, e você tem o score da idade gestacional, e com isso você pode dizer quantos miligramas de tal remédio o bebê tem que tomar, qual a temperatura que ele tem que ficar, entre outras características"

Olga destaca que o programa foi desenvolvido em software livre e funciona em qualquer plataforma. Ela diz que foi fantástico participar do programa, principalmente pela interação com a área da saúde, o que tem gerado novos projetos. E destaca a importância social da idéia.

"Essas pessoas que não fazem pre-natal, geralmente, são de camadas socioeconômicas mais baixas, ou mães adolescentes, são justamente as que não fazem pre-natal, onde há maior incidência de prematuridade. Então a gente estava enfocando isso. É uma solução ótima para esses casos"

Ela diz que a perspectiva atual é levar o footscanage para além dos horizontes do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, para que ele possa ser usado gratuitamente pela rede pública de saúde.

De Brasília, Adriana Magalhães

NA REPORTAGEM ESPECIAL DE AMANHÃ, CONHEÇA IDÉIAS CRIATIVAS PARA SIMPLIFICAR A VIDA DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS.

A abordagem em profundidade de temas relacionados ao dia a dia da sociedade e do Congresso Nacional.

De segunda a sexta, às 3h, 7h40 - dentro do programa Painel Eletrônico - e 23h

facebook twitter spotify podcasts apple rss

Todas as Edições