Meio ambiente e energia

Comissão rejeita projeto que incluía Cerrado entre as prioridades de fundo ambiental

Relator reconhece a importância do Cerrado, mas argumenta que as decisões de investimento do FNMA devem ser feitas pelo seu conselho deliberativo

01/09/2022 - 10:26  

Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados
Deputado Nelson Barbudo fala ao microfone. Ele é branco, usa bigode e barba brancos e um chapéu
Barbudo: decisões de investimento do fundo não devem ser feitas por lei

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados rejeitou o Projeto de Lei 1600/19, que inclui o Cerrado entre os biomas a serem priorizados com recursos do Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA).

A proposta será arquivada pela Câmara dos Deputados, a não ser que haja recurso contrário dirigido ao Plenário.

Originado no Senado, a proposta foi relatada pelo deputado Nelson Barbudo (PL-MT), que recomendou a rejeição. Apesar de reconhecer a importância do Cerrado, Barbudo argumenta que as decisões de investimento do FNMA devem ser feitas pelo seu conselho deliberativo, e não por lei.

O conselho possui representantes de órgãos do governo federal e de entidades ambientalistas. “Decidir onde aplicar recursos escasso é matéria complexa, que demanda sempre análise técnica e negociação política e depende da conjuntura”, disse Barbudo.

Atenção
Criado pela Lei 7.797/89, o FNMA prioriza a aplicação de recursos em projetos na Amazônia Legal e no Pantanal Mato-Grossense.

A proposta rejeitada é de autoria do senador Jorge Kajuru (Pode-GO). Ele afirma que, mesmo sendo o segundo maior bioma da América do Sul, o Cerrado “não tem merecido a devida atenção governamental para preservação de sua rica biodiversidade”.

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Sua opinião sobre: PL 1600/2019

Íntegra da proposta