Política e Administração Pública

Comissão avalia políticas econômica, social e ambiental do governo Bolsonaro

Deputados citam elevado número de mortes durante pandemia e volta da fome como sinais de retrocesso

14/06/2022 - 08:41  

Alex Pazuello/Prefeitura de Manaus
Saúde - doenças - coronavírus pandemia mortes epidemias mortos coveiros caixões cemitérios mortalidade (enterros de vítimas da Covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus-AM)
Cemitério de Manaus, em um dos piores momentos da pandemia de Covid-19

A Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados debate, nesta terça-feira (14), os "Retrocessos Econômicos, Sociais e Ambientais do Governo Bolsonaro".

A audiência pública será realizada no auditório Nereu Ramos, às 14 horas, e  poderá ser acompanhada de forma virtual e interativa pelo e-Democracia.

Os deputados do Psol Glauber Braga (RJ) e Luiza Erundina (SP), que pediram o debate, afirmam no requerimento que a Presidência de Jair Bolsonaro é "o pior governo da história da República", e citam em específico a forma como o Poder Executivo lidou com a pandemia de Covid-19.

Para eles, “a maioria das mortes seriam evitáveis por meio de uma estratégia de contenção da doença, o que constitui uma violação sem precedentes do direito à vida e do direito à saúde dos brasileiros”.

Meio ambiente
Quanto à questão ambiental, Braga e Erundina afirmam que os programas para o setor sofreram "uma série de reveses por conta do esvaziamento de competências, atribuições e orçamentos das principais instituições e órgãos responsáveis pela política de meio ambiente, a começar pelo próprio Ministério do Meio Ambiente".

Os deputados apontam ainda um processo de acelerada deterioração socioeconômica do País. "Além do desemprego altíssimo, a renda da população mais pobre está sendo corroída pela elevação persistente da inflação", afirmam os parlamentares no requerimento em que pedem a audiência. E completam: "A combinação de altos níveis de desemprego e inflação se manifesta em forte aumento da insegurança alimentar e fome no Brasil. Do total de 211,7 milhões de pessoas, 116,8 milhões (55,2%) convivem com algum grau de insegurança alimentar (leve, moderada ou grave)".

Debatedores
Foram convidados para a audiência representantes da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da Federação Nacional dos Enfermeiros (FNE), entre outros.

Veja a lista completa de convidados

Da Redação – RS

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.