Segurança

Comissão aprova criação do cadastro nacional de condenados por crime de corrupção

Iniciativa será custeada pelo Fundo Nacional de Segurança Pública

10/06/2021 - 12:38  

A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (9) o Projeto de Lei 1908/20, que cria o Cadastro Nacional de Pessoas Condenadas por Crime de Corrupção, que reunirá dados pessoais dos condenados, como foto, impressão digital, material genético (DNA), informações profissionais, local de residência, cor e raça.

De autoria da deputada Alê Silva (PSL-MG), o texto determina que as informações do cadastro serão sigilosas, e o uso irregular delas poderá ser punido nas esferas administrativa, civil e penal. A polícia e o Ministério Público poderão solicitar o acesso à Justiça no curso de inquéritos ou ações penais instauradas.

Najara Araujo/Câmara dos Deputados
Reunião extraordinária. Dep. Delegado AntônioFurtado(PSL - RJ)
Deputado Antônio Furtado, relator do projeto de lei

O parecer do relator, deputado Delegado Antônio Furtado (PSL-RJ), foi favorável à proposta, com emenda. Para ele, o cadastro vai favorecer "a investigação e processamento dos crimes de corrupção e, assim, contribuir para redução da criminalidade no território nacional".

A emenda apenas altera a sigla do cadastro de CNPCCC para CadCor. Para ele, CNPCCC lembra "uma poderosa facção criminosa" ou pode ser associada "a uma banda musical chamada CNPCC L’Oriental".

Administração
O cadastro será administrado pelo Ministério da Justiça e poderá ser abastecido com dados de outros bancos de dados geridos por órgãos públicos de qualquer Poder.

A criação e o funcionamento serão custeados pelo Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP), que apoia projetos na área de segurança pública e prevenção à violência.

Tramitação
A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem - Lara Haje
Edição - Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta