Educação, cultura e esportes

Projeto regionaliza cotas para ingresso em instituições de ensino técnico

Vagas reservadas valerão apenas para estudantes residentes no estado onde se localize a instituição, exceto nos casos em que município do aluno faça parte da mesma região de influência

28/12/2020 - 16:55  

Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para discussão e votação de diversos projetos. Dep. Rubens Pereira Júnior (PCdoB - MA)
Rubens Pereira Júnior: muitas vagas são perdidas hoje porque o aluno não se adapta ao novo estado

O Projeto de Lei 5286/20, do deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA), regionaliza as cotas para ingresso nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Pela proposta, que tramita na Câmara dos Deputados, as vagas que hoje já são destinadas a alunos que tenham cursado o ensino fundamental em escola pública (50% do total) deverão ser preenchidas por estudantes residentes no mesmo estado onde se localiza a instituição de ensino.

O objetivo é evitar a evasão de alunos provenientes de estados diferentes que não se adaptam ao novo local de estudos.

“Têm-se percebido incontáveis casos de posterior desistência de candidatos, quando já iniciado o período letivo do curso. Isso ocorre porque, ao se deslocar de seu estado de origem, há clara dificuldade de adaptação à nova localidade”, explica. “A vaga se torna inaproveitável, o que impede que outro estudante possa assumi-la.”

Exceção
A exceção ficaria por conta dos casos em que o campus esteja localizado em outro estado, mas que exerça influência socioeconômica no município de origem do estudante.

“Há municípios em que a própria instituição de ensino técnico do estado se encontra distante e, por vezes, o instituto de outra unidade da Federação é o que se encontra mais próximo e acessível”, justifica Rubens Pereira Júnior.

O texto acrescenta as medidas à Lei de Cotas de Ingresso nas Universidades.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Sua opinião sobre: PL 5286/2020

Íntegra da proposta