Saúde

Projeto obriga planos de saúde a cobrirem todos os testes para Covid-19

Hoje a ANS não obriga os planos a cobrir os exames sorológicos, também conhecidos como testes rápidos

21/07/2020 - 12:38  

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Tema: "Esportes de combate como medida de redução da agressividade". Dep. Bosco Costa (PL-SE)
Costa: quem tem plano de saúde não pode ficar à mercê de mudanças de decisões

O Projeto de Lei 3846/20 estabelece que os beneficiários de planos privados de assistência à saúde têm direito à cobertura obrigatória para exames de diagnóstico da Covid-19, inclusive os sorológicos.

Os testes sorológicos, também conhecidos como testes rápidos, feitos a partir da coleta de sangue, detectam anticorpos - ou seja, se a pessoa já teve contato com o vírus -, mas apenas cerca de dez dias após o contato. Já os testes moleculares (ou RT-PCR), feitos a partir da coleta de mucosa do nariz e da garganta, permitem a detecção do vírus já nos primeiros dias da doença.

Autor do projeto, o deputado Bosco Costa (PL-SE) afirma que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regula o mercado de planos de saúde, não tem sido eficiente na inclusão de rol de procedimentos dos testes necessários para o diagnóstico e tratamento do novo coronavírus.

Gustavo Aleixo/Cruzeiro Esporte Clube
Saúde - coronavírus - testagem testes diagnósticos swab atletas prevenção contágio contaminação Covid-19 pandemia (testes na equipe do time do Cruzeiro)
Os planos de saúde continuam cobrindo os testes tipo PCR

Briga judicial
No dia 17 de julho - mesmo dia em que o projeto foi apresentado à Câmara dos Deputados -, a ANS decidiu retirar do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúde os exames sorológicos.

Esses testes haviam sido incluídos anteriormente por determinação da Justiça Federal de Pernambuco. Porém, a agência recorreu da medida, e o Tribunal Regional Federal da 5ª Região acatou o pedido, suspendendo a obrigação de planos de saúde pagarem pelos testes.

Falso-negativo
A ANS alega que estudos e análises de diversas sociedades médicas e de medicina diagnóstica mostram controvérsias técnicas em relação aos resultados desse tipo de exame e a possibilidade de alto percentual de falso-negativo.

Para o parlamentar, os mais de 40 milhões de brasileiros que são beneficiários de planos de saúde não devem ficar “à mercê” das mudanças nas decisões sobre os testes.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem - Lara Haje
Edição - Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta