Direitos Humanos

Câmara aprova informação obrigatória sobre deficiência de vítima de violência doméstica

27/06/2017 - 19:06  

Leonardo Prado/Câmara dos Deputados
Seminário sobre a inclusão da economia do cuidado e o trabalho não remunerado realizado no interior dos domicílios, no Sistema de Contas Nacionais. Dep. Soraya Santos (PMDB - RJ)
Relatora, Soraya Santos destacou a importância das estatísticas para esse tipo de crime

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou, nesta terça-feira (27), o Projeto de Lei 347/15, que torna obrigatória, nas queixas-crimes sobre violência doméstica, a informação sobre eventual deficiência da vítima. Além disso, deverá ser informado se a deficiência ou o agravamento de deficiência pré-existente foi resultado da agressão.

Como tramitava em caráter conclusivo, o projeto será enviado para o Senado.

De autoria da deputada Rosangela Gomes (PRB-RJ), a proposta acrescenta dispositivo à Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06). Hoje, a lei prevê que o pedido da ofendida seja tomado a termo pela autoridade policial e contenha: qualificação da ofendida e do agressor; nome e idade dos dependentes; e descrição sucinta do fato e das medidas protetivas solicitadas pela ofendida.

O parecer da relatora, deputada Soraya Santos (PMDB-RJ), foi favorável à proposta. Ela ressaltou que a Comissão de Seguridade Social e Família acertou ao modificar o termo “pessoa portadora de deficiência”. “Esse não é mais o termo recomendado desde a metade da década de 90, sendo correto e equânime grafar ‘pessoa com deficiência’”, disse.

Segundo Soraya Santos, a estatística para esses crimes é uma parte importante do combate à violência contra a mulher.

Reportagem - Marcello Larcher
Edição - Sandra Crespo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta