Ciência, tecnologia e Comunicações

Ciência e Tecnologia rejeita padronização de carregador de celular

31/08/2015 - 18:03  

DEP.ROBERTO ALVES
Roberto Alves: "medida impossibilitaria inovações tecnológicas"

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática rejeitou, na última quarta-feira (26), o Projeto de Lei 32/15, do deputado Sergio Vidigal (PDT-ES), que torna obrigatória a padronização dos carregadores de celular fabricados e comercializados no Brasil.

Pela proposta, caberia à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) definir tal padrão. O não cumprimento da regra sujeitaria o infrator a multa de até R$ 1 milhão.

Apesar de entender a preocupação de Vidigal com a profusão de modelos de carregadores, o relator na comissão, deputado Roberto Alves (PRB-SP), recomendou a rejeição do projeto com o argumento de que a medida impossibilitaria as inovações tecnológicas.

“Se um fabricante nacional viesse a desenvolver uma nova modalidade de carregador, com vantagens em relação aos então existentes, haveria uma proibição legal para a sua adoção”, observou Alves.

Ainda segundo o relator, a diversidade de modelos não configura ofensa aos direitos dos consumidores. Ela decorre, disse, da diversidade de marcas de fabricantes que utilizam soluções próprias para seus carregadores.

“Finalmente, a imposição de um carregador padronizado para os telefones fabricados ou comercializados no Brasil colocaria o País em uma condição inferior ao restante do mundo. Haveria um custo adicional imposto ao setor, o que redundaria em perda de competitividade”, afirmou ainda Roberto Alves.

Tramitação
O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado ainda pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; de Defesa do Consumidor; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição - Alexandre Pôrto

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta