Meio ambiente e energia

Consultor da ONU sugere programa específico de manutenção dos mananciais

14/05/2015 - 22:00  

Em audiência pública realizada pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara, o biólogo José Roberto Borghetti, mestre em Ecologia Aquática, criticou a forma como o Brasil tem gerido seus mananciais.

Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados
Audiência pública para discutir a Gestão de Mananciais de Abastecimento Público em Regiões Metropolitanas. Consultor da Academia Brasileira de Ciências, José Roberto Borghetti
Borghetti sugere a criação de um conselho de segurança hídrica para identificar e projetar os cenários atuais e futuros para uma gestão mais eficiente dos recursos hídricos.

Na opinião de Borghetti, que também é consultor da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e consultor da Academia Brasileira de Ciências, os gestores brasileiros têm dificuldades em tomar decisões de médio e longo prazo e por isso rios como Tietê e Pinheiros, na cidade de São Paulo, são extremamente poluídos. “Não há um programa específico que trate da manutenção dos mananciais.”

Integrante da comissão, o deputado João Paulo Papa (PSDB-SP) concordou com o biólogo e acrescentou que há uma confusão, na região metropolitana de São Paulo, sobre qual órgão público deve cuidar dos mananciais que cercam a cidade. “O crescimento da mancha urbana da região metropolitana não depende do governo de São Paulo e muito menos da Sabesp [Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo]. Esse é, na verdade, um tema mais próximo às prefeituras. A falta de controle da ocupação urbana às margens dos principais mananciais de São Paulo não estão, infelizmente, sob comando de um órgão apenas, o que leva a um descontrole e ao comprometimento da qualidade da água do presente e do futuro.”

Eficiência hídrica
José Roberto Borghetti apresentou ainda uma série de sugestões para que o País passe a ter eficiência hídrica. Uma delas é a criação de um conselho de segurança hídrica para, dentre outras ações, identificar e projetar os cenários atuais e futuros para gestão mais eficiente dos recursos hídricos.

Outra sugestão dada por Borghetti foi incentivar financeiramente a conservação da água por parte dos dois principais setores que mais consomem e desperdiçam água no País: a agricultura e a indústria.

A audiência foi solicitada pelo presidente da Comissão de Desenvolvimento Urbano, deputado Julio Lopes (PP-RJ). Ele ressaltou que Borghetti “é um dos maiores especialistas, em termos mundiais, em gestão de recursos hídricos e, portanto, uma grande contribuição, justamente "agora em que atravessamos uma grave crise no setor energético e hídrico”.

Reportagem - Pedro Campos/ RCA

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.