Direito e Justiça

Federação de futebol defende apuração de casos de pedofilia no Amazonas

O presidente da Federação Amazonense de Futebol (FAF), Dissica Valério Tomaz, foi ouvido nesta terça pela CPI da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

08/04/2014 - 21:27  

Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados
Audiência pública com o presidente da Federação Amazonense de Futebol, Dissica Valério Tomaz. O depoimento do presidente é para prestar esclarecimentos sobre as denúncias de pedofilia e exploração sexual nas categorias de base do futebol de Manaus
Dissica Tomaz disse que federação criará campanha para combater o problema no Estado.

O presidente da Federação Amazonense de Futebol (FAF), Dissica Valério Tomaz, prometeu, em audiência pública nesta terça-feira (8) na Câmara dos Deputados, tomar todas as providências cabíveis acerca das denúncias de pedofilia e exploração sexual nas categorias de base do futebol de Manaus.

Tomaz se comprometeu a criar uma campanha com crianças, adolescentes, familiares e clubes de futebol para combater o problema. Além de aprimorar a ouvidoria da federação, afim de que ela tenha acesso e conheça esse tipo de denúncia.

A comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes se reuniu para discutir denúncia publicada no jornal A Crítica, do Amazonas. A reportagem, publicada em 14 de janeiro, afirma que técnicos de times de base, as chamadas escolinhas de futebol, ofereceriam aos jovens dinheiro e a titularidade nas equipes em troca de sexo. O assédio e a exploração sexual foram denunciados por jovens que tentavam uma chance de jogar em clubes de ponta.

Dissica Tomaz afirmou que não tem porque duvidar das denúncias, mas que a federação nunca registrou queixas do gênero. Ele disse também que, assim que ficou sabendo dos possíveis crimes, foi ao Ministério Público para acompanhar as investigações.

"Durante esse tempo que eu estou à frente da Federação Amazonense de Futebol nunca chegou ao nosso conhecimento nenhuma denúncia. Há o interesse de que todos esses fatos citados e denunciados sejam devidamente apurados e quem tiver sua culpa que vá pagar por ela. E nós fazemos parte desse contexto também”, disse Tomaz.

Legislação
A CPI prometeu trabalhar no aprimoramento da legislação a fim de coibir o assédio e a violência sexual nos clubes de base. Para a presidente da comissão, deputada Érika Kokay (PT-DF), todos os envolvidos têm que responder pela agressão aos jovens.

"Que os clubes possam ser responsabilizados penalmente, que possam indenizar essas famílias e esses adolescentes e que possam ser responsabilizados pelo atendimento necessário para que essas crianças e adolescentes possam resignificar suas vidas", disse.

A CPI vai elaborar um pacto de colaboração com os times de base do futebol amazonense.

Da Redação – JJ
Colaboração - Lara Silvério

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.