Consumidor

ONS reconhece que o Nordeste poderia ampliar estrutura contra falhas no sistema elétrico

11/09/2013 - 16:14  

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Audiência pública para obter esclarecimentos sobre o apagão ocorrido em agosto de 2013, que atingiu os nove estados do Nordeste. Diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Jorge Chipp
Hermes Chipp, diretor-geral do ONS, defendeu que o Nordeste seja a próxima região a operar com garantia dupla contra falhas.

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, garantiu a segurança do sistema para responder a apagões, mas reconheceu que regiões como a Nordeste poderiam ampliar a estrutura contra falhas.

Ele defendeu que essa região seja a próxima a operar com garantia dupla contra falhas. Atualmente, esta garantia vem sendo implantada para Brasília. Chipp afirmou que a segurança do sistema elétrico funcionou como o previsto no episódio do blecaute que ocorreu na região Nordeste em 28 de agosto.

O normal para o País como um todo hoje é que o sistema garanta o fornecimento de energia quando ocorre a falha de apenas um elemento. No apagão de agosto, queimadas no Piauí por causa do tempo seco levaram a falhas em duas linhas de transmissão.

Religação do sistema em 3 horas
Hermes Chipp explicou nesta quarta-feira aos deputados da Comissão de Minas e Energia que o tempo de religação do sistema após o blecaute ficou em torno de 3 horas. "É duro a gente dizer num momento desses, pois nos orgulhamos do estágio em que está o País, em primeiro lugar em termos de tempo de recomposição”, observou o diretor do ONS. “Quer dizer, feito o estrago, entre 3 horas e 3 horas e meia, 90% da carga já estava restabelecida." Em 2011, segundo Chipp, um outro blecaute levou 5 horas para ser contornado.

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Audiência pública para obter esclarecimentos sobre o apagão ocorrido em agosto de 2013, que atingiu os nove estados do Nordeste. Dep. Arnaldo Jardim (PPS-SP)
Arnaldo Jardim: sistema elétrico não resistiu a um problema localizado.

Deputado critica
Mas o deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP) acredita que poderiam ter sido tomadas medidas para evitar o problema. "O sistema não resistiu a um problema localizado."

Para ele, "ficou evidente que a decisão depois, que foi de diminuir o grau de transferência de energia para o Nordeste em 1.000 megawatts e acionar as térmicas, era aquilo que deveria ter sido o procedimento anterior, o que teria dado uma segurança maior ao sistema".

O relatório sobre o apagão ainda não foi concluído e ainda está sendo verificada a responsabilidade das empresas concessionárias na manutenção da limpeza dos locais onde estão as linhas de transmissão.

Reservatórios normais
O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, disse que o risco de novos apagões por falta de água nas usinas hidrelétricas é pequeno porque os reservatórios das regiões Sul e Sudeste estão normais e o período de chuvas começa em um mês e meio.

Reportagem – Sílvia Mugnatto
Edição – Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.