Educação, cultura e esportes

Câmara rejeita cinema a preço reduzido para alunos da rede pública

Relator lembrou que a aprovação do vale-cultura no mês passado já vai ampliar o acesso a programas como teatro, cinema e shows.

26/12/2012 - 11:30  

Arquivo/ Diogo Xavier
Stepan Nercessian
Nercessian: lei federal não pode criar política estadual.

A Comissão de Educação e Cultura rejeitou, no mês passado, a criação de uma política nacional de incentivo para que alunos da rede pública tenham acesso a cinema com preços reduzidos. Segundo o projeto, haveria sessões especiais de cinema para esses alunos, com preços ainda menores que a meia-entrada. A medida estava prevista no Projeto de Lei 541/11, do deputado Weliton Prado (PT-MG).

Como a proposta tramitava de forma conclusiva e a Comissão de Educação era a única responsável pela sua análise, ela será arquivada, a menos que haja recurso para votação em plenário.

Pela proposta, União, estados, DF e municípios poderiam assinar convênios com empresas de cinema para a realização das sessões, que teriam agenda especial, de acordo com o calendário escolar. Os filmes seriam escolhidos a partir de critérios pedagógicos e levariam em conta as necessidades curriculares do aluno.

O relator, deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ), elogiou a proposta, mas disse que uma política estadual ou municipal não poderia ser criada por lei federal. Nercessian também lembrou a aprovação do vale-cultura, que deve garantir R$ 50 por mês a todos os trabalhadores que recebam até cinco salários mínimos. Esse valor poderá ser gasto com serviços e produtos cullturais, incluindo cinema, teatro, livro, música ou uma exposição de arte, por exemplo.

“Na medida em que os pais-trabalhadores se beneficiem desse programa, seus filhos também poderão não só frequentar cinema mas também ter acesso a outras modalidades de expressão cultural disponíveis em suas cidades”, argumentou.

Reportagem – Carolina Pompeu
Edição - Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta