Política e Administração Pública

Servidores grevistas querem reverter corte de ponto no STF

22/08/2012 - 18:36  

A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) vai entrar, ainda nesta quarta-feira (22), com um pedido de liminar no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender imediatamente o corte de ponto dos servidores em greve por melhores salários.

O governo decidiu cortar, neste mês, os pontos de 11.495 de servidores. Com isso, os salários que vão ser depositados no próximo mês sofrerão reduções de acordo com o número de dias em que os funcionários não compareceram ao trabalho. De acordo com a Condsef, existem casos de servidores que não vão receber nada.

O deputado e funcionário público Policarpo (PT-DF) afirma que os ânimos não devem se acirrar e que a melhor forma de resolver a questão ainda é a negociação: "É importante, acima de tudo, que as duas partes - tanto os servidores, como o governo - tenham calma e cautela neste momento. Mesmo que o governo sinalize agora o corte de ponto, eu entendo que, ao final desse processo, na hora em que fechar essa negociação, o governo vai sentar à mesa e vai negociar os dias parados."

Apesar da pressão do governo, a vice-presidente da CUT no Distrito Federal, Cleuza Cassiano, afirmou que os servidores não vão desistir da greve. "Mesmo com o corte de ponto dos setores que saíram à frente, os companheiros continuaram e continuam na luta. Agora veio o corte de ponto integral, mas a categoria continua firme na luta, porque não dá para recuar. Quem chegou até aqui, tem que continuar. Trabalhadores acuados, nós não podemos nos responsabilizar pelo que pode acontecer", afirmou.

O deputado Policarpo espera que o Executivo ceda e, para evitar greves no futuro, o parlamentar defende que o governo regulamente a Convenção 151 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A convenção estabelece o princípio da negociação coletiva entre servidores públicos e os governos municipais, estaduais e federais.

"Hoje, os servidores muitas vezes entram em greve para abrir a negociação. Quando você abre a negociação no meio da greve e apresenta as propostas ainda insuficientes, não tem como sair de uma greve", ponderou.

Paralisação

De acordo com estimativa do Ministério do Planejamento, entre 70 mil e 80 mil servidores estão paralisados - contingente que corresponde a 15% da quantidade de funcionários na ativa. A assessoria de comunicação do Ministério informou que o corte de ponto atinge aqueles que não estão amparados por decisões judiciais ou cujas liminares assegurando o pagamento do salário foram cassadas.

A Condsef afirma que a quantidade de funcionários públicos em greve supera 300 mil pessoas, número que não é confirmado pelo governo federal.

Reportegem - Renata Tôrres
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Mais conteúdo sobre