Educação, cultura e esportes

Livro custeado pela administração pública poderá ser usado livremente

03/11/2011 - 10:36  

Arquivo/ Beto Oliveira
Paulo Teixeira
Paulo Teixeira: Se a sociedade subsidia a produção do conhecimento, não cabe a privatização da obra.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 1513/11, do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que autoriza o uso livre para fins educacionais de toda obra intelectual que tenha sido subvencionada ou paga pela administração pública.

A medida também vale para obras produzidas por servidor público em regime de dedicação exclusiva ou parcial, incluindo professores e pesquisadores da rede pública e de universidades.

“Se é a sociedade que subsidia a produção do conhecimento não cabe, posteriormente, a privatização da obra por meio do direito autoral”, argumentou o deputado.

O uso da chamada licença livre, no entanto, não poderá gerar vantagem comercial e o autor da obra deverá sempre receber crédito por ela, sendo identificado.

A proposta ainda altera a Lei 9.610/98, que regula os direitos autorais, para determinar que não é desrespeito ao direito autoral a reprodução para fins didáticos e sem intenção de lucro de:
- obras literárias, artísticas ou científicas, esgotadas e que não tenham sido republicadas nos últimos cinco anos;
- obras estrangeiras indisponíveis no mercado nacional brasileiro e;
- livros científicos oriundos de programas de pós-graduação financiados com recursos públicos.

Segundo o deputado, esses dispositivos partem da premissa de que, “se não há interesse em republicar a obra ou publicar a obra estrangeira no País, eventual reprodução para fins didáticos e não comerciais não teria o condão de retirar mercado do titular dos direitos autorais ou causar prejuízo”.

O projeto também cria o conceito de recurso educacional, no qual se enquadram obras a serem utilizadas para fins educacionais, pedagógicos e científicos, como livros e materiais didáticos complementares, objetos educacionais, multimídia, jogos, teses, dissertações e artigos acadêmicos, entre outros.

Tramitação
A proposta será analisada pelas comissões de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania, inclusive em seu mérito, antes de ir ao Plenário.

Reportagem- Rodrigo Bittar
Edição- Mariana Monteiro

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Íntegra da proposta