Economia

Comissão rejeita suspensão de desconto de empréstimo em razão de doença

12/08/2011 - 16:45  

Arquivo - Diógenes Santos
Lael VarellaVarella: essas hipóteses não são defensáveis para suspender pagamento de empréstimo.

A Comissão de Seguridade Social e Família rejeitou nesta quarta (10) proposta que suspende o desconto de empréstimo consignado em folha de pagamento no caso de gravidez ou de doença grave e incapacitante. A medida está prevista no Projeto de Lei 2110/07, do deputado Luiz Fernando Faria (PP-MG). O texto modifica a Lei 10.820/03, segundo a qual a autorização para desconto em folha é irrevogável.

De acordo com o projeto de lei, doenças como tuberculose, câncer, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, Mal de Parkison e aids permitiriam a alteração do contrato de empréstimo.

Para o relator da proposta, Lael Varella (DEM-MG), essas hipóteses não são “causas defensáveis” para a suspensão do pagamento das parcelas de empréstimo consignado. Além disso, segundo Varella, essa nova regra causaria aumento do custo financeiro dos empréstimos consignados.

Tramitação
A proposta, que tramita de forma conclusiva, já havia sido rejeitada pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. Ela será analisada ainda pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. A Comissão de Finanças e Tributação, além de analisar a adequação orçamentária da proposta, também vai avaliar seu mérito.

Reportagem – Carolina Pompeu
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'.


Sua opinião sobre: PL 2110/2007

Íntegra da proposta